23h : 48min

Conheça o
Caderno + DL

Ler

Assine o Jornal por R$8
por mês no plano atual

AssineLer Jornal

Polícia investiga violência contra crianças em creche no interior de SP

As imagens teriam sido gravadas no último dia 5, mas somente no fim de semana foram postadas em redes sociais

Comentar
Compartilhar
11 JUL 2017Por Estadão Conteúdo04h30

A Polícia Civil abriu inquérito para apurar denúncias de agressões sofridas por crianças de três a cinco anos em uma creche municipal de Itatinga, no interior de São Paulo. Imagens de uma câmera de monitoramento que foram parar em redes sociais mostram duas monitoras agredindo e maltratando as crianças. 

Uma delas puxa os cabelos, dá tapas e joga colchões contra as crianças. As cenas mais chocantes mostram um menino aparentemente com mais idade que a média da creche agarrando e beijando meninas sem que as monitoras impeçam. Uma delas ainda segura a criança para que seja beijada pelo garoto.

As imagens teriam sido gravadas no último dia 5, mas somente no fim de semana foram postadas em redes sociais. Nesta segunda-feira, 10, oito pais e mães procuraram a Polícia Civil para registrar queixas. 

O delegado Lourenço Talamonte Neto, que responde pelo município, abriu inquérito pelos crimes de constrangimento ilegal e corrupção de menores. "As denúncias apresentadas pelos pais são graves e estão em consonância com a parcela de imagens que já vimos. Vamos requisitar todas as imagens disponíveis para fazer uma perícia", disse. 

Os nomes das suspeitas de violência não foram divulgadas porque o caso envolve crianças. A prefeitura informou que as duas funcionárias foram afastadas da creche e foi aberto um processo administrativo. De acordo com a Secretaria da Educação, como as servidoras são concursadas, elas ficarão em funções administrativas até que o caso seja apurado e as medidas disciplinares sejam definidas, podendo acarretar a demissão a bem do serviço público. 

O Conselho Tutelar informou que acompanha a denúncia e encaminhará as crianças para atendimento psicológico. A reportagem tentou contato telefônico com as monitoras, mas foi informada de que elas não falariam sobre o caso.

 

Colunas

Contraponto