Débitos prefeituras

Membro do PCC executado liderou facção na Baixada por ao menos 2 anos

Wagner Ferreira da Silva, de 32 anos, foi morto com tiros de fuzil em frente um hotel na zona leste de SP; ele morava em Vicente de Carvalho

Comentar
Compartilhar
23 FEV 2018Por Gilmar Alves Jr.17h46
Duas hóspedes do hotel também foram baleadas no crimeFoto: Marcelo Gonçalves/Sigmapress

Executado com tiros de fuzil na noite de quinta-feira (22), em frente a um hotel na zona leste de São Paulo, Wagner Ferreira da Silva, conhecido como Waguininho ou Cabelo Duro, liderava o braço do Primeiro Comando da Capital (PCC) na Baixada Santista pelo menos desde 2016. A informação foi obtida pelo Diário do Litoral junto a uma fonte da Polícia Civil na região. O criminoso, de 32 anos, morava no Pae Cará, em Vicente de Carvalho.

O homicídio pode ter sido uma "queima de arquivo" ordenada pela cúpula da facção relacionada ao suposto envolvimento de Waguininho nas mortes de dois altos integrantes da organização criminosa ­- Rogério Jeremias de Simone, o Gegê do Mangue, de quem Waguininho era "afilhado" na organização, e Fabiano Alves de Souza, o Paca. O crime ocorreu em uma reserva indígena no Ceará no último dia 16, após um pouso de helicóptero que partiu de São Paulo.  

Horas antes de ser executado nesta quinta-feira, Waguininho teve a prisão temporária decretada pela Justiça do Ceará por suspeita de envolvimento no duplo homicídio. Outras cinco pessoas também tiveram mandado de prisão expedido por suspeita neste crime.

Uma das hipóteses sob investigação pela Polícia Civil na capital paulista é a de que o líder do PCC, Marco Willians Herbas Camacho, o Marcola, e seu sócio Gilberto Aparecido dos Santos, o Fuminho, procurado pela Justiça desde 2014, deram ordem para a execução de Waguininho por temerem que o "subordinado" fosse preso e denunciasse a cúpula pelo duplo homicídio no Ceará.

Wagner Ferreira da Silva, o Waguininho (Reprodução)

Bilhete

Um bilhete apreendido na Penitenciária II de Presidente Venceslau, no interior paulista, onde estão integrantes da cúpula da facção, indica que os chefes acusavam Gegê do Mangue e Paca de roubar a organização.

A mensagem do bilhete, escrito à mão, é: "Amigos aqui é o resumo do Pe Quadrado (Penitenciária) e mais uns irmãos. Ontem, fomos chamados em umas ideias, aonde nosso irmão Cabelo Duro (Waguininho) deixou 'nois' ciente que o Fuminho mandou matar o GG e o Paka. Inclusive, o irmão Cabelo Duro e mais alguns irmãos são prova que os irmãos estavam roubando (sic)".

Terror na entrada de hotel

Câmeras de segurança captaram a execução de Waguininho na entrada do Hotel Blue Tree Towers, no Jardim Anália Franco. Após ser abordado na rua, ele correu para e entrada do hotel e caiu ao lado de um Toyota Corolla. Deitado, ele é atingido por tiros de fuzil.

Duas mulheres que saíam do Corolla, hóspedes do local, também foram baleadas, uma no pé e outra na mão.

Até o final da tarde desta sexta-feira (23), nenhum dos executores do crime havia sido preso.

Colunas

Contraponto