15h : 26min

Conheça o
Caderno + DL

Ler

Assine o Jornal por R$8
por mês no plano atual

AssineLer Jornal

Justiça decreta preventiva de acusado de matar aluno-soldado da PM em SV

O crime ocorreu em 2 de maio no bairro Catiapoã, logo após a vítima sair de casa rumo ao curso de formação

Comentar
Compartilhar
17 JUL 2017Por Gilmar Alves Jr.19h47
Quando o acusado foi preso temporariamente, em junho, os policiais chegaram a quase 100 quilos de drogas, arma e muniçõesFoto: Divulgação/Polícia Militar

A Justiça decretou a prisão preventiva de Rosivaldo Rodrigues da Silva, o Val, de 32 anos, acusado de matar o aluno-soldado da Polícia Militar Edivaldo Pedro dos Santos, de 31, em 2 de maio, no bairro Catiapoã, em São Vicente.

Val está preso desde junho, quando a Delegacia de Investigações Gerais (DIG) de Santos cumpriu o mandado de prisão temporária dele e ainda o autuou em flagrante por tráfico de drogas, associação ao tráfico e posse ilegal de arma e munição de uso restrito. A ação foi comandada pelo delegado Luiz Ricardo de Lara Dias Júnior, titular da DIG, e pelo investigador Paulo Carvalhal.

Ao decretar a preventiva, o juiz Alexandre Torres Aguiar escreveu que a finalidade da custódia cautelar é a de “prevenir a produção de fatos criminosos e tranquilizar o meio social em razão da gravidade do fato e de sua repercussão”.

Aguiar também assinalou que a forma como o crime foi praticado, bem como seus motivos, denotam que Val é de “índole perigosa”.

Ao ser preso pela DIG, Val negou envolvimento no assassinato. A motivação do crime é mantida sob sigilo pela polícia para não prejudicar os trabalhos.

O crime

O aluno-soldado da PM foi morto logo após sair de casa, na Travessa do Parque, com destino ao curso de formação da corporação, às 6h43. Edivaldo estava à paisana e armado, mas não teve tempo de reagir.

Ao ouvirem os disparos, familiares saíram da residência e encontraram Edivaldo caído, com perfurações no rosto, no tórax e no pescoço. Ele foi socorrido ao Hospital Municipal, onde chegou a ser reanimado, mas na sequência não resistiu.

Edivaldo era casado – à época do crime a mulher dele estava grávida de seis meses – e estava prestes a realizar sua formatura oficial na PM.

Colunas

Contraponto