Santos

Pesquisa revela as tendências fitness para 2018

A lista de 2018 já foi publicada e das 20 principais tendências, 14 podem ser encontradas em Santos. O responsável por trazê-las é o personal trainer Thiago Arias.

Comentar
Compartilhar
04 FEV 2018Por Vanessa Pimentel13h00
Em Santos, o treinamento individualizado, sejam nas academias ou particulares, é a modalidade mais procurada.Foto: Divulgação/Fotos Públicas

Há 12 anos, a American College of Sports Medicine (Faculdade Americana de Medicina dos Esportes), maior organização de medicina esportiva e ciência do exercício do mundo, realiza uma pesquisa com profissionais de todo o planeta para determinar as tendências de saúde e fitness que virão no próximo ano.

O objetivo da pesquisa, respondida neste ano por 4.133 profissionais de 43 países, é identificar quais práticas esportivas mais estarão em alta. São essas informações que servirão como referência para todo o mercado fitness.

A lista de 2018 já foi publicada e das 20 principais tendências, 14 podem ser encontradas em Santos. O responsável por trazê-las é o personal trainer Thiago Arias.

“Ficamos muito felizes em saber que o Studio Thiago Arias já põe em prática 14 delas”, diz o profissional.

Personal Trainer há 12 anos, tendo especializações na área de treinamento, grupos especiais, yoga, meditação e gestão, Thiago conta que o Studio nasceu em 2010 e se tornou referência na cidade porque optou por trabalhar com grupos reduzidos e atividade individualizada.

“Ao longo do tempo fomos agregando outras modalidades e serviços como pilates, lutas, nutrição e fisioterapia e hoje contamos com 2 unidades e cerca de 350 alunos”, explica.

As modalidades oferecidas são: HIIT; Treinamento em grupo; Treinamento com peso corporal; Treinamento de força; Profissionais certificados e experientes; Yoga; Programas para a terceira idade; Treinamento funcional; Exercício e perda de peso; Exercício é remédio; Personal training em pequenos grupos; Flexibilidade e mobilidade usando rolos; Wellness coaching; Exercícios de Core.

DL - Como você escolheu as modalidades oferecidas no Studio?

Thiago Arias - Enxerguei no mercado uma grande necessidade de um trabalho diferenciado de qualidade e que gerasse resultado aos meus alunos. Formei grupos reduzidos para não perder a qualidade dos treinos. Logo depois incluí o Pilates, pois percebi que muita gente procurava e é uma modalidade muito benéfica para melhora do movimento humano já que trabalha postura, respiração, consciência corporal, mobilidade articular, flexibilidade, força de core.

DL - Em Santos, qual das modalidades oferecidas é a mais procurada?

Thiago - O treinamento individualizado é o mais procurado, são aulas para grupos de quatro alunos por horário e os treinos são elaborados de acordo com a necessidade e objetivo de cada aluno nosso. As aulas têm em média 60 minutos e trabalhamos com a faixa etária desde os 10 anos até a terceira idade.

DL - A faixa etária influencia a prática de alguma dessas atividades?

Thiago - Sim, para alguns exercícios, dependendo da consciência corporal, algumas pessoas têm mais facilidade para realizar do que outras, mas nada é impossível, tudo é um aprendizado! Nas nossas debilidades é onde devemos prestar mais atenção e trabalhar. Dependendo da idade alguns movimentos se tornam mais complexos, mas com a prática tudo fica mais ­fácil.

DL - Esta é a primeira vez que a ‘licenciatura para profissionais’ é tendência no mercado. Explique por que este dado é importante.

Thiago - Com as redes sociais e o mercado crescente da saúde e do fitness a procura por profissionais qualificados se intensificou. Como trabalhamos com prestação de serviço, a mão de obra qualificada é essencial para gerar bons resultados, ­fidelização e segurança a quem está em nossas mãos. Além disso, temos visto todo o tempo formadores de opinião que atingem um público muito grande em redes sociais falando em nome de profissionais da educação física e nutricionistas, fazendo com que informações sem fundamento cheguem de encontro a pessoas que buscam informações de alguma forma e muitas vezes não condizem com a realidade de quem está lendo.

Colunas

Contraponto