O que sua letra diz sobre você?

Através da grafologia é possível traçar patologias que a pessoa não sabe que tem, identificar bloqueios e até auxiliar no tratamento da dependência química.

Comentar
Compartilhar
18 FEV 2018Por Vanessa Pimentel12h42
Até mesmo a assinatura do candidato à uma vaga de emprego é analisada pela grafologia.Foto: Rodrigo Montaldi/DL

Escrever é um ato comum aos seres humanos assim que a alfabetização começa. A prática se torna um hábito tão automático que pouco se imagina o quanto as letras podem dizer sobre quem as escreve. 

Para desvendar o que diz a nossa forma de escrever, surgiu a Grafologia, o estudo das letras que é capaz de analisar a personalidade de uma pessoa baseada em marcas inseridas inconscientemente na escrita. 

Para explicar o tema, o Papo de Domingo traz uma entrevista com a grafóloga Célia Siqueira, que atua na área pessoal, empresarial e criminal. 

“Na grafia tudo é estudado, desde a pressão da escrita, formato da letra, até a formatação, para chegar a um resultado coerente e satisfatório, o qual indicará traços específicos”, detalha Célia. 

Ela explica que através da grafologia é possível traçar patologias que a pessoa não sabe que tem, identificar bloqueios e até auxiliar no tratamento da dependência química. 

“Podemos analisar o perfil do candidato a uma vaga de emprego. Também, a partir da assinatura, é possível saber se é legítima ou se houve falsificação. No caso de crianças, com estudo dos desenhos e o início da caligrafia, pode-se tratar traumas psicológicos, gagueira, transtorno de sono, etc”.  

DL – Detalhe mais o que é a Grafologia? 
Célia Siqueira - E a análise da personalidade e perfil psicológico, saúde e questões profissionais. O estudo da forma das letras e do aspecto geral da escrita manuscrita ajuda a compreender melhor quais as características sociais, psicológicas, ocupacionais e médicas das pessoas. 

DL - Como é feita a análise da escrita pelos grafólogos e em que ocasiões ela é indicada? 
Célia Siqueira - Ela é feita através de um texto, escrito a mão e folha sem pauta e linha, e com a assinatura. Daí em diante o grafólogo consegue traçar um perfil.  Ela é usada pelo RH, em vagas seletivas, pra orientação profissional e pra melhora psicológica de fobias/traumas.

DL - Pela assinatura também é possível analisar o perfil de um candidato a uma vaga de emprego. Como essa análise é feita, para que a decisão do contratante não seja injusta ou incompleta?
Célia Siqueira - Através da forma escrita, assinatura revela muito da personalidade de uma pessoa. Os círculos, pingos, até a velocidade da escrita. Além do autoconhecimento, o importante é descobrir quais são as reais habilidades do candidato e buscar áreas que proporcionam satisfação mental e psicológica. Através de textos, pode-se indicar na escrita a profissão que mais lhe trará destaque. Não é só assinatura e sim vários itens. Tudo é feito de maneira profissional e criteriosa. A escrita diz muito sobre as pessoas, para um estudo completo sobre a condição psíquica, comportamental, emocional ou física, são analisados diversos pontos, como: inclinação, forma individual, curvatura, pressão, tamanho, dimensão e disposição das letras.

DL - Você diz que é possível detectar patologias, identificar bloqueios e até auxiliar no tratamento de dependência química. Como é possível chegar a estes resultados?
Célia Siqueira - O tratamento varia de pessoa a pessoa, pode durar meses ou anos, é feito com a correção dos pontos repetitivos na letra, acompanhado de PNL e psicanálise. 

Colunas

Contraponto