'As prefeituras e a população precisam conhecer o CIC'

São 16 em todo o Estado. O de São Vicente atende toda a Baixada e funciona atualmente na Praça José Bonifácio, 404, 8º andar, no Centro.

Comentar
Compartilhar
25 FEV 2018Por Carlos Ratton15h45
A população desconhece os serviços oferecidos pelo CIC.Foto: Paolo Perillo/DL

Mônica Geny dos Santos é diretora do Centro de Integração à Cidadania (CIC), localizado em São Vicente, mas que atende toda a Baixada Santista. Neste Papo de Domingo, ela anuncia a ampliação do órgão, responsável por um amplo trabalho social ainda pouco explorado pelas prefeituras e desconhecido pela maioria das população Baixada.

Diário – Quantos CICs existem?

Mônica Geny – São 16 em todo o Estado. O de São Vicente atende toda a Baixada e funciona atualmente na Praça José Bonifácio, 404, 8º andar, no Centro. Em abril, vamos funcionar na Avenida Presidente Wilson, 1.126, atendendo das 9 às 17 horas. O telefone é 3467-5209. Meu telefone é 98151-5393.

Diário – O que ele faz?

Mônica – Atende gratuitamente a população de baixa renda e oferece inúmeros serviços. Fornecemos a segunda via da certidão de nascimento, de casamento, atestado de óbito, primeira carteira de identidade para crianças e adolescentes até 17 anos. Também realizamos casamentos comunitários.

Diário – O CIC também faz mutirões?

Mônica – Sim, nos bairros de várias cidades. Algumas prefeituras já se utilizam de nossos serviços que chamamos de jornadas de cidadania. No novo espaço, também faremos a mediação judicial e parceria com a Defensoria Pública. O CIC está aberto para firmar parcerias com as prefeituras para jornadas e bairros. Basta enviar um ofício e agendar pelo e-mail: [email protected]

Diário – Vocês fazem palestras?

Mônica – Sim, em escolas e por intermédio de parcerias com entidades de jovens aprendizes. Também fazemos palestras voltadas às mulheres, idosos e outras. Além de oferecer serviços, fazemos um trabalho de cidadania.

Diário – O CIC funciona desde quando?

Mônica – Desde 2015. No novo espaço, teremos um auditório e estamos preparando várias parcerias. Por exemplo, já estamos recebendo currículos para quem procura o primeiro emprego. Vamos ter um banco de currículos e cursos de capacitação. Já atendemos até agora mais de cinco mil pessoas. Só certidões, recebemos cerca de 50 pedidos por dia. Vamos buscar em qualquer lugar do Brasil. Muitas pessoas precisam delas, por exemplo, para conseguir a casa própria.

Diário – Falta divulgação do CIC?

Mônica – As prefeituras e a população precisam conhecer o CIC e utilizar nossos serviços.

Diário – O CIC é uma grande facilitador?

Mônica – Exatamente, alertando que é, de preferência, voltado à comunidade de baixa renda. A certidão para poder casar hoje, por exemplo, tem validades diferentes em cada cidade. São Vicente vale por três meses, Santos e Praia Grande vale por seis. Esse é o serviço público mais procurado pela comunidade. Também fazemos muitos casamentos comunitários e toda a documentação nós fornecemos. Tudo totalmente gratuito. 

Colunas

Contraponto