Pref 13 e 14

Peruíbe recicla menos de 0,5% do lixo produzido na cidade

Apenas duas mulheres trabalham no amplo Centro de Triagem de Resíduos Sólidos no Caraguava

Comentar
Compartilhar
17 JUN 2017Por Rafaella Martinez08h00
Um dos ecopontos de Mongaguá possui estrutura precária; Prefeitura afirma que seguirá determinações do futuro plano metropolitano de resíduos sólidosFoto: Rodrigo Montaldi/DL

Um galpão amplo, mas com problemas estruturais significativos e que não cumpre de forma plena sua função: esse é o cenário da Associação de Recicladores Garça Vermelha, em Peruíbe. O espaço de 300 m² do Centro de Triagem de Resíduos Sólidos foi recentemente entregue pelo governo do Estado.

“Temos um espaço bom, mas como o caminhão da Prefeitura só passa quarta e sábado o que conseguimos reciclar é muito pouco. Por esse motivo precisei dispensar alguns funcionários e hoje toco o espaço apenas com o auxílio de uma ajudante”, conta Maria da Conceição.

Aos 70 anos, ela é quem coordena a cooperativa, regularizada recentemente. O local possui apenas uma balança, que está desregulada. De acordo com Maria, a Administração ficou de solucionar o problema para que o serviço possa continuar. Ela vende o quilo do papelão por R$0,40 e o de ferro por R$15.

Em nota a Prefeitura de Peruíbe confirmou que a coleta de resíduos sólidos domiciliares acontece quarta-feira e sábado. Mas destacou que nas terças e quintas um cata-treco recolhe grandes volumes. De acordo com a Administração, um caminhão com motorista e combustível auxilia nos trabalhos da cooperativa, que recicla aproximadamente cinco toneladas ao mês.

Mongaguá

O serviço de coleta de materiais recicláveis em Mongaguá é feito todo dia, com o serviço de cata-cata. Na medida em que são recolhidos materiais recicláveis, eles são levados para a cooperativa de reciclagem. A reportagem esteve no local, mas não notou movimentação. A Prefeitura diz que a cooperativa é autônoma e está passando por reestruturação.

Destaca ainda que fez o galpão, doou o prédio e garante infraestrutura para atuação no espaço.

A reportagem esteve também em um dos ecopontos da cidade e notou que o mesmo possui uma estrutura precária. De acordo com a Administração, está sendo elaborado um plano metropolitano de resíduos sólidos, que dará as diretrizes para as ações futuras.

Itanhaém. Em Itanhaém a coleta seletiva é feita porta a porta e em alguns locais com Pontos de Entrega Voluntária. Há apenas uma cooperativa credenciada com a Prefeitura: a CoopersolReciclando. É uma parceria em que a Administração dá todo apoio logístico para a realização do serviço de coleta seletiva.

Existem pontos de entrega de resíduos de construção civil, verdes e volumosos, que são os Pontos de Entrega Voluntária (PEVs), por meio de caçambas; e também os Locais de Entrega Voluntária (LEVs), voltados para materiais recicláveis. Ambos estão espalhados em diversos pontos da cidade, em trabalho que contou com a participação das Regionais, fazendo a instalação em pontos estratégicos para evitar o descarte irregular.

A Administração pretende implantar parcerias e cobrar o cumprimento de acordos setoriais para logística reversa a ser implementada por fabricantes, comerciantes e importadores.

 

Colunas

Contraponto