Copa do Mundo estimula comércio a vender criatividade em produtos

A estimativa é de comerciantes de Santos que apostam na oferta diversificada de produtos para todas as idades

Comentar
Compartilhar
14 MAR 201322h33

Futebol sempre foi sinônimo de lucro para o comércio. Em ano de Copa do Mundo, a procura é ainda maior e, em 2006, o faturamento deve ser superior a 30% em relação ao último evento esportivo de 2002. A estimativa é de comerciantes de Santos que apostam na oferta diversificada de produtos para todas as idades.

Segundo eles, este é o ano de maior criatividade em mercadorias com o tema Copa do Mundo. A “tabelinha” entre preço e variedade deve aquecer as vendas nesta temporada. Neste campo de ofertas, destaque para as novidades na linha de produtos para o público feminino.

Faltando apenas duas semanas para o início do evento esportivo mundial que mobiliza o maior número de telespectadores, o mercado garante liquidez tanto em produtos temáticos, com preços mais populares, quanto em oficiais, com custos mais altos.

Na loja A Esportiva, no Centro de Santos, a venda da camisa oficial da seleção brasileira tem sido de 30 a 50 peças por semana, nos últimos dois meses, disse a gerente Neide Pérsico. A unidade custa entre R$ 169,90 e R$ 179,90 (personalizada). As camisas favoritas de seleções estrangeiras como Alemanha, Itália e Holanda também têm saída. Neide afirmou que já foram vendidas 20, no total.

A loja oferece ainda camisas similares da seleção brasileira e do exterior a R$ 49,90, cada. A camisa oficial feminina tem preço de R$ 159,90 e o kit infantil (camisa, calção e meias), R$ 139,90. Outros produtos são bolas de futebol para adultos e crianças e réplica da oficial.

“A expectativa para o faturamento é de um crescimento de 30%, no mínimo. Esperamos que o movimento cresça, principalmente, na semana da abertura da Copa e que este mês de junho, seja para nós, um dezembro”, declarou Neide.

A administradora de empresas, Celina Nascimento de Oliveira, pesquisa preços. Ela pretende comprar camisas para os dois filhos e disse que é possível driblar o custo, ganhando qualidade. “Pretendo levar a mais em conta, mas uma camisa bonita, porque camisa do Brasil a gente não pode deixar por menos”, disse ela. Mas, Celina deixou a loja sem levar nada, seguindo com sua pesquisa em busca do “entrosamento” entre preço e qualidade.

Mas, o consumidor pode encontrar no mercado uma escalação de produtos que varia entre apitos, cornetas, bandeiras, óculos, chapéus e bonés, faixas, bandanas, bexigas, prendedores de cabelo, artigos decorativos de unhas, chaveiros, biquinis, toalhas de banho e jogos de botão a partir de R$ 0,50.

Segundo a gerente da Proplastic, Neide Rodrigues, a maior procura tem sido por bandeirinhas e tecidos de decoração. Neide afirmou que os clientes já estão em clima de festa. “O perfil do cliente que tem nos procurado é aquele que vai reunir a família, os amigos em eventos e festinhas para assistir aos jogos do Brasil”.

A telefonista Lúcia Amabília Esteves disse que já gastou R$ 10 entre bandeira, óculos e relógio que comprou para o neto. “Voltei para comprar mais coisas. Estou levando o apito para o meu neto e uma bandana para mim”, finalizou.

Fifa

A rede de hipermercados Carrefour tem licença exclusiva da Fifa para comercializar produtos oficiais. Entre eles, estão copos, taças, mochilas, camisetas e bolas de futebol, com preços praticados entre R$ 10 e R$ 90.

Segundo informou a assessoria de comunicação da rede de hipermercados, com a venda dos produtos oficiais, o Carrefour espera aumentar em 45% o faturamento dos setores de bazar e têxtil até o mês de junho.

Colunas

Contraponto