04h : 15min

Assine o Diário e o Santista por R$8 por mês no plano atual

Unicef alerta que mais de 550 mil crianças precisam de ajuda na Líbia

Meninos necessitam urgentemente de assistência na Líbia por conta das carências causadas pelo caos político, a instabilidade e a guerra civil que o país vive desde 2011

Comentar
Compartilhar
10 AGO 2017Por Agência Brasil15h30

Mais de 1 milhão de meninas e meninos necessitam urgentemente de assistência na Líbia por conta das carências causadas pelo caos político, a instabilidade e a guerra civil que o país vive desde 2011, quando acabou a ditadura de Muammar Gaddafi, advertiu o diretor do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) no Norte da África, Geert Cappelaere.

Ao término da sua primeira visita ao país, Cappelaere alertou sobre a extrema vulnerabilidade das mais de 80 mil crianças que se viram obrigadas a se deslocar internamente por causa da violência diária e da ameaça permanente de milícias e máfias.

"Seis anos depois do início da crise na Líbia, cerca de 550 mil crianças necessitam de assistência devida à instabilidade política, ao conflito que acontece, ao deslocamento e ao colapso econômico. A extrema violência em algumas partes do país obrigou famílias inteiras a abandonar as suas casas. As mais de 80 mil crianças que estão em situação de deslocamento interno são especialmente vulneráveis à exploração, incluindo aquelas que estão em centros de detenção", explicou em comunicado.

Neste contexto, Cappelaere lembrou que desde 2011 o Unicef tem aumentado a ajuda ao território, e mais de 1,3 milhão de crianças já foram vacinadas contra a pólio.

"O Unicef pretende que toda a equipe internacional retorne e opere com capacidade completa a partir de outubro. O bem-estar dessas crianças deve ser prioridade para as autoridades locais,  sociedade civil e comunidade internacional", acrescentou.

A Líbia vive diversos problemas e é vítima do caos e da guerra civil, desde que a queda de Gaddafi, uma vitória dos rebeldes com o respaldo da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan). Atualmente, dois governos disputam o poder apoiado por distintas milícias, um sustentado pela Organização das Nações Unidas (ONU) em Trípoli e outro no leste sob o comando militar de Khalifa Hafter, que domina 60% do território nacional.

Deste cenário, tiram proveito grupos jihadistas e máfias dedicadas ao tráfico de combustível, armas e pessoas.

Colunas

Contraponto