Promo DL

Trump indaga Putin sobre ação em eleições nos EUA

A reunião de ontem era mais aguardada do que que a própria cúpula das principais economias do mundo

Comentar
Compartilhar
08 JUL 2017Por Folhapress11h30
EUA e Rússia divergem em uma série de questões fundamentaisFoto: Associated Press

O esperado encontro entre o presidente americano, Donald Trump, e o russo Vladimir Putin dominou o primeiro dia do G20 em Hamburgo. A reunião de ontem (7) era mais aguardada do que que a própria cúpula das principais economias do mundo. A conversa durou 2h16, muito além da meia hora prevista. O aperto de mãos foi transmitido ao vivo e debatido ao longo do dia. A mão de Putin ficou por cima, envolvida pela de Trump.

Os dois controversos líderes discutiram as acusações de que a Rússia interferiu nas eleições americanas de novembro, que têm constrangido o governo Trump. O chanceler russo, Sergei Lavrov, disse que Trump aceitou a resposta de Putin, que negou ter havido envolvimento de Moscou no pleito.

Já o secretário de Estado americano, Rex Tillerson, disse que as divergências sobre o tema podem ser "intratáveis" e que deve haver esforço para "seguir em frente".
Um dia antes, o presidente americano tinha endurecido o discurso e pedido que a Rússia abandonasse as suas "atividades desestabilizadoras", deixando de apoiar, por exemplo, a Síria e o Irã.

Mas, em Hamburgo, Trump disse a Putin que havia sido uma "honra" conhecê-lo pela primeira vez, buscando "coisas positivas" na relação entre os ex-rivais da Guerra Fria. "Tivemos algumas conversas muito, muito boas."

Trump e Putin conversaram por meio de tradutores. Repórteres foram impedidos de acompanhar. "Conversamos ao telefone diversas vezes. Um telefonema nunca é o suficiente", disse Trump.

EUA e Rússia divergem em uma série de questões fundamentais, como a crise na Ucrânia e a guerra na Síria.

Os Estados Unidos, a Rússia e a Jordânia anunciaram na sexta um cessar-fogo no sudoeste da Síria, o único resultado concreto desse encontro, ainda que parcial.

A trégua deve entrar em vigor no domingo às 12h (6h em Brasília) -mas, como outros acordos do tipo, pode não ser implementado ou pode ser descumprido na sequência. EUA e Rússia, as duas principais potências militares do planeta, apoiam lados opostos na guerra civil que assola o país há mais de seis anos. Enquanto os americanos dão suporte a grupos rebeldes, os russos intervêm a favor do ditador Bashar al-Assad.

Segundo Tillerson, na metade do encontro, a primeira-dama Melania Trump entrou na sala para lembrar Trump do restante de sua agenda. A reunião prosseguiu.

Além de Putin, Trump conversou com o presidente mexicano, Enrique Peña Nieto. O presidente dos EUA relatou progresso nas relações com o vizinho, com o qual tem travado um duelo retórico sobretudo com a insistência de construir um muro na fronteira. "Estamos negociando o Nafta [o acordo de livre comércio entre os dois países mais o Canadá] e algumas outras coisas com o México", afirmou Trump, que chamou Peña Nieto de "amigo".

Clima

A cúpula do G20 se encerra neste sábado após os líderes das principais economias e organizações internacionais debateram temas como protecionismo, terrorismo e mudança climática -ponto em que Trump tem se isolado desde que prometeu abandonar o Acordo de Paris sobre o clima, selado em 2015, classidicando-o como contrário aos interesses nacionais.

A chanceler alemã, Angela Merkel, anfitriã da cúpula, insistiu que os países mantenham o compromisso de frear o aquecimento global -o acordo prevê que a temperatura do planeta não suba acima de 2ºC em relação à era pré-industrial até o fim do século, e tenta limitá-la a 1,5ºC.

"Todos nós conhecemos os grandes desafios globais", disse ela, "e todos sabemos que o tempo está passando".

Colunas

Contraponto