Pref 13 e 14

Serviços de emergência falam em 12 mortos e 39 feridos em ataques em Teerã

Ainda que não haja informações sobre onde as vítimas morreram, os dados divulgados até o momento mostram que o maior massacre foi cometido no Parlamento

Comentar
Compartilhar
07 JUN 2017Por Agência Brasil12h30

Pelo menos 12 pessoas morreram e 39 ficaram feridas nos ataques terroristas feitos hoje (7) contra o Parlamento iraniano e o mausoléu do Aiatolá Khomeini em Teerã, segundo os serviços de emergência. As forças de segurança conseguiram, após quase cinco horas, controlar a situação nos dois locais que foram alvos de ataques, cuja autoria foi assumida pelo grupo terrorista Estado Islâmico. As informações são da Agência EFE.

Ainda que não haja informações sobre onde as vítimas morreram, os dados divulgados até o momento mostram que o maior massacre foi cometido no Parlamento. No mausoléu, os meios oficiais informam a morte de um funcionário do local e ferimentos em quatro peregrinos.

Os terroristas invadiram os dois locais com fuzis Kalashnikov, pistolas e explosivos, e na Assembleia chegaram a fazer vários reféns.

Calcula-se que pelo menos oito terroristas participaram dos ataques, sendo que alguns se mataram, outros foram mortos pela polícia e outros acabaram detidos.

As operações de segurança levaram muito tempo, sobretudo no Parlamento, situado no centro de Teerã, devido ao grande número de civis tomados como reféns.

Os acessos à assembleia foram totalmente fechados pela polícia, em ambiente de grande tensão.

Este é o primeiro ataque desse tipo que ocorre no Irã, cujas autoridades reforçaram as medidas de segurança em torno dos edifícios oficiais, como a sede da Presidência.

Brasil lamenta

O governo brasileiro emitiu nota hoje repudiando os ataques terroristas em Teerã. "Ao expressar suas condolências às famílias das vítimas, seus votos de plena recuperação aos feridos e sua solidariedade com o povo e o governo do Irã, o Brasil reitera sua condenação a todo e qualquer ato de terrorismo, independentemente de sua motivação", diz a nota do Ministério das Relações Exteriores (Itamaraty).

Colunas

Contraponto