Papa condena guerras e outros males que marcaram o ano de 2017

O Papa Francisco celebrou uma missa de Ano Novo na Basílica de São Pedro, uma ocasião tradicional de agradecimento nas últimas horas de cada ano

Comentar
Compartilhar
01 JAN 2018Por Estadão Conteúdo00h31
Papa condena guerras e outros males que marcaram o ano de 2017Foto: Divulgação

Marcando a despedida de 2017, o Papa Francisco condenou neste domingo as guerras, injustiças, degradação social e ambiental e outros maus artificiais, que segundo ele marcaram negativamente o ano.

O Papa Francisco celebrou uma missa de Ano Novo na Basílica de São Pedro, uma ocasião tradicional de agradecimento nas últimas horas de cada ano.

Em sua homilia, o Papa disse que Deus nos deu um ano "inteiro", mas "nós, seres humanos, de muitas maneiras arruinamos e machucamos com as obras da morte, com mentiras e injustiças".

"As guerras são o sinal flagrante desse orgulho repetido e absurdo", disse ele. "Mas também são todas as pequenas e grandes ofensas contra a vida, a verdade, a fraternidade, que causam múltiplas formas de degradação humana, social e ambiental". Francisco acrescentou: "Queremos, e devemos assumir, diante de Deus e de nossos irmãos, nossa responsabilidade" pelo mal.

Apesar da tristeza, Francisco disse que "a gratidão prevalece" graças àqueles que "cooperam silenciosamente pelo bem comum". Ele escolheu pais e educadores que tentam passar aos jovens um senso de ética responsável.

Depois do serviço solene da Basílica, o Papa caminhou para fora, atravessando rapidamente a Praça de São Pedro para apertar as mãos e interagir com simpatizantes, além de beijar bebês segurados por alguns dos milhares de fiéis que esperavam horas para assisti-lo. Durante a caminhada de quase uma hora ao ar livre, ele parou para admirar uma cena da Natividade de tamanho natural no meio da praça. De acordo com a tradição, o Papa celebrará missa dedicada ao tema da paz mundial no dia de Ano Novo.

Colunas

Contraponto