10h : 45min

Conheça o
Caderno + DL

Ler

Assine o Jornal por R$8
por mês no plano atual

AssineLer Jornal

Militar que vazou dados ao WikiLeaks agradece a Obama por clemência

Chelsea Manning deixou em maio uma prisão militar no Estado do Kansas, quatro meses após o ex-presidente decidir libertá-la

Comentar
Compartilhar
10 JUN 2017Por Folhapress12h30
Chelsea Manning agradeceu ao ex-presidente Barack Obama por ter-lhe concedido clemênciaFoto: Associated Press

A ex-militar Chelsea Manning, 29, responsável por vazar documentos secretos do governo americano ao WikiLeaks, agradeceu nesta sexta-feira (9) ao ex-presidente Barack Obama por ter-lhe concedido clemência.

Ela se emocionou em entrevista à emissora de TV ABC ao se referir à gratidão que sente em relação ao democrata. "Eu recebi uma nova chance, que era tudo o que eu queria. Tudo o que eu pedi foi uma chance, é isso", disse.

Manning deixou em maio uma prisão militar no Estado do Kansas, quatro meses após Obama decidir libertá-la. Ela havia sido condenada em 2013 a 35 anos de reclusão por 19 crimes, incluindo espionagem e furto.

A soldado trabalhava como analista de inteligência no Iraque entre 2007 e 2010. No período, vazou mais de 700 mil documentos sobre as ações militares americanas no país árabe e informes do Departamento de Estado.

Todos foram publicados pelo site WikiLeaks. Um dos materiais vazados é um vídeo, divulgado em abril de 2010, que mostra um helicóptero dos EUA matando vários civis em Bagdá, no Iraque, em 2007.

Ela foi descoberta e presa meses depois. Sete anos depois, a ex-militar diz aceitar toda a responsabilidade por sua ação. "Ninguém me disse ou me mandou fazer isso. É assim que eu sou, está dentro de mim."

Na sequência de sua condenação, ela assumiu sua identidade de mulher e solicitou uma cirurgia de redesignação sexual, mas teve seu tratamento hormonal negado pelos militares.

Isso a levou a tentar se suicidar duas vezes antes de o procedimento ser autorizado, em 2015. Na entrevista à ABC, Manning disse que o tratamento é essencial para que se mantenha viva.

"Ele me afasta da sensação de estar no corpo errado. Normalmente tinha sentimentos horríveis, como se quisesse arrancar meu corpo e jogar fora."

Colunas

Contraponto