Merkel reconhece divisão na Alemanha e promete formar rapidamente novo governo

Ela ressaltou, contudo, que está empenhada em enfrentar os desafios do futuro formando rapidamente um novo governo

Comentar
Compartilhar
31 DEZ 2017Por Estadão Conteúdo21h00
Merkel reconheceu as preocupações de parte da população na Alemanha sobre o ritmo de mudança socialFoto: Associated Press

Os alemães raramente estiveram tão divididos sobre as mudanças que estão ocorrendo na sociedade, disse a chanceler da Alemanha, Angela Merkel, em seu discurso de ano-novo. Ela ressaltou, contudo, que está empenhada em enfrentar os desafios do futuro formando rapidamente um novo governo.

A Alemanha está no limbo político desde as eleições de setembro, que significaram perdas para a "grande coalizão" centrista que governa o país desde 2013. A tentativa de Merkel de formar um novo governo com dois partidos menores falhou, forçando-a a buscar apoio junto aos seus antigos parceiros, os social-democratas.

Merkel reconheceu as preocupações de parte da população na Alemanha sobre o ritmo de mudança social, incluindo o fluxo de requerentes de asilo que fez com que muitos conservadores questionassem a sua liderança. Mas ela observou que outra parcela dos alemães está otimista quanto ao futuro na maior economia da Europa, que tem tido crescimento rápido e queda contínua do desemprego. "Alguns estão falando sobre uma divisão que atravessa nossa sociedade", disse a chanceler, se referindo aos diferentes pontos de vista que ouviu no ano passado.

Merkel disse que leva a sério o mandato dos eleitores "especialmente quando se trata de formar rapidamente um governo estável para a Alemanha no novo ano", citando entre suas prioridades a necessidade de garantir a prosperidade, melhorar a educação e o uso da tecnologia digital, fortalecer os cuidados com famílias e idosos, reduzir desequilíbrios regionais e garantir a segurança.

Ela também reiterou a necessidade de os países europeus trabalharem de forma mais próxima e defender as fronteiras externas do continente, comprometendo-se a trabalhar com a França para "deixar a Europa pronta para o futuro".

Falando sobre as crescentes tensões políticas na Alemanha, que levaram alguns de seus opositores políticos a descrever Merkel como "traidora", a chanceler instou os alemães a se concentrarem mais no que têm em comum e a "se respeitarem novamente".

Colunas

Contraponto