Entrada da Cidade

Filipinas desloca milhares de pessoas à espera de tufão com ventos de 250 km/h

O tufão Mangkhut deve atravessar a ponta norte das Filipinas na manhã de sábado (15)

Comentar
Compartilhar
14 SET 2018Por Folhapress11h47

Autoridades das Filipinas esvaziaram diversas áreas nesta sexta-feira (14) e advertiram cerca de 5,2 milhões de pessoas que moram no provável caminho de um poderoso tufão, à medida que o país se prepara para fortes chuvas e prováveis danos a infraestruturas e plantações.

O tufão Mangkhut deve atravessar a ponta norte das Filipinas na manhã de sábado (15), com ventos de 205 km/h e rajadas de até 255 km/h, que tem mantido desde que atingiu a Micronésia no início da semana.

Mais de 9.000 pessoas foram transferidas para abrigos temporários à medida que o Mangkhut, também chamado de Ompong, se aproxima das províncias produtoras de arroz e milho de Cagayan e Isabela.

Meteorologistas advertiram sobre o risco de ondas de até seis metros atingirem vilarejos no caminho.

"Meu pedido é que precisamos prestar atenção nas recomendações das autoridades. Fiquem dentro de casa", disse o assessor presidencial Francis Tolentino, principal coordenador do governo para desastres.

As autoridades temem que o tufão provoque inundações e deslizamentos de terra. As pequenas aldeias de pescadores também são muito vulneráveis aos ventos violentos e às enormes ondas que caem na costa.

Nas zonas costeiras do norte, do arquipélago, região que costuma ser atingida por desastres naturais, moradores já abandonaram suas casas.

Os habitantes de Luzón, a principal ilha das Filipinas, onde vivem milhões de pessoas, estão reforçando janelas e telhados para evitar que sejam arrancados pela tempestade.

"As chuvas vão ser fortes e os ventos não serão brincadeira", declarou à agência AFP Michael Conag, porta-voz da Defesa Civil local.

"Pode haver ondas equivalentes a um prédio de quatro andares e muitas casas poderão ser destruídas, principalmente as construções mais frágeis, que são mais frequentes nestas zonas costeiras", explicou.

Uma chuva muito forte já começou a atingir a ponta nordeste de Luzon, também varrida por ventos intensos, mas até o momento não há informações de grande destruição.

Depois das Filipinas, o Mangkhut, deverá seguir em direção ao sul da China, incluindo Hong Kong.
"Estamos com muito medo, dizem que o tufão é muito violento", afirmou Delaila Pasion, que deixou sua casa. "Nós estávamos com muito medo de ficar".

"Nas últimas chuvas de monção, nossa casa foi destruída. Quero que meus netos fiquem em segurança", acrescenta.

As Filipinas são atingidas todos os anos por cerca de vinte tufões. A agência meteorológica filipina indicou que o Mangkhut é por ora o ciclone tropical mais violento do ano, com ventos de 205 km/h e rajadas de até 255 km/h. Assim, sua força é semelhante a um furacão de categoria 5, a mais alta na escala.

Tanto furacão quanto tufões são ciclones tropicais, mas seu nome muda dependendo de onde se originam.

Enquanto o primeiro ocorre no Atlântico Norte ou no centro ou leste do Pacífico Norte, o segundo acontece no Pacífico Noroeste -no Oceano Índico ou no Pacífico Sul, se mantém o nome de ciclone tropical.

Colunas

Contraponto