Entrada da Cidade

Motoristas de ônibus de Mongaguá entram em greve

Motivo da paralisação é falta de pagamento dos salários de janeiro

Comentar
Compartilhar
09 FEV 2018Por Da Reportagem12h01
Salário atrasado para ônibus em MongaguáFoto: Divulgação

Os motoristas de ônibus de Mongaguá entraram em greve na manhã desta sexta-feira (09) por falta de pagamento de salário do mês de janeiro.

12 mil passageiros são afetados com a paralisação e a única opção para os moradores é o transporte alternativo.

Os motoristas se reuniram no início da manhã em frente a garagem da Viação Beira Mar, empresa reponsavel pelo transporte no municipio, como forma de protesto. 

O transporte escolar também foi afetado, prejudicando cerca de 600 alunos da rede pública.

O Diário do Litoral procurou a empresa Beira Mar, por telefone, mas não obteve contato com a diretoria.

Prefeitura

A Prefeitura de Mongaguá informou que lamenta os transtornos enfrentados pela população e que repudia a postura da empresa Viação Beira Mar. “(A empresa) não cumpre as obrigações trabalhistas junto aos seus funcionários, o que refletiu na greve dos motoristas iniciada na manhã desta sexta-feira”.

“Centenas de munícipes enfrentaram problemas, tendo apenas como opção o transporte alternativo e o turístico”, diz a prefeitura.

Recentemente, a Administração Municipal, que não tem dívida com a empresa, concedeu reajuste de 15,79% na passagem, passando a tarifa a R$ 2,20.

“A empresa chegou ao absurdo de propor um aumento de 82,63%, elevando a cobrança a R$ 3,47. De acordo com a inflação dos cinco anos em que não permitimos aumento, chegaria ao máximo de R$ 2,63, ou seja, 38,42%. Por se tratar de um pedido abusivo e pelas péssimas condições dos veículos e falta de investimento da empresa no transporte, estipulamos o valor atual”, destaca o prefeito Artur Parada Prócida (PSDB).

O chefe do Executivo afirma que foi convocado o corpo jurídico para as medidas cabíveis.

“Também estamos avaliando a possibilidade de criarmos uma comissão para avaliar a possibilidade de abrirmos concorrência para uma nova empresa de transporte prestar serviços na cidadã”, afirma Parada Prócida.

Colunas

Contraponto