14h : 31min

Conheça o
Caderno + DL

Ler

Assine o Jornal por R$8
por mês no plano atual

AssineLer Jornal

Qual o melhor caminho para vencer, o estratégico ou tático?

Ao retomar o assunto exposto na edição anterior de Xeque-Mate, relembro que a tática constitui, sem dúvida

Comentar
Compartilhar
11 JUN 2017Por Da Reportagem15h30

Um dos mais importantes elementos dessa magnífica ciência do pensamento chamada Xadrez, que equivale dizer que estabelecer um plano adequado na partida é fundamental, mas apenas isso não resolve o dilema. Faz-se necessário colocá-lo em prática, traduzido em lances. Parece simples, mas não é bem assim. A partir do momento em que se estabelece, por exemplo, colocar o cavalo numa casa central, afloram sérias dificuldades.

Nesse ponto, as coisas começam a se complicar porque o adversário pode antever a ideia e, certamente, tentará impedir que ela se concretize. Ele possui um plano próprio e também deseja executá-lo. Cada uma das partes envolvidas vai tentar se impor e, ao mesmo tempo, dificultar os esquemas do oponente.

Assim começa a luta tática que coloca à prova a capacidade que cada enxadrista tem de transformar as ideias em lances eficazes a fim de contribuir para a execução do plano engendrado. 

Exatamente aqui entra em jogo a habilidade do enxadrista de combinar e calcular uma série de lances a frente (variantes).Ele deve analisar com profundidade os movimentos subsequentes e as consequências decorrentes. No Xadrez, portanto, pode-se estabelecer que a estratégia conste da elaboração dos planos de menor ou maior envergadura. A tática significa um modo de alcançar esses planos. Daqui resulta, logicamente, que a estratégia é abstrata e a tática, concreta.

Perceba, caríssimo leitor, que o equilíbrio entre estratégia e tática nunca é estável porque depende da capacidade e preferências do enxadrista. Há indivíduos que gostam mais do caminho estratégico; outros tantos se baseiam, quase que exclusivamente, nos golpes táticos. 

Nesse momento pode surgir uma dúvida pertinente: o que é mais importante, a estratégia ou a tática? Na história do Xadrez, a predominância de uma e outra se alternaram. Estudando partidas de jogadores que representaram o estilo de jogo de suas respectivas épocas, afirmo que alguém não pode ser um verdadeiro mestre se não dominar, em primeiro lugar, o aspecto tático do jogo, já que se torna inútil chegar a uma posição estrategicamente ganhadora se, nesse momento, por uma combinação tática, ele leva um contra-ataque ou mate em poucos movimentos.

O fato de que os golpes táticos têm consequências imediatas faz com que a tática tenha importância maior que a estratégia. Assim, os grandes jogadores da história do Xadrez, independentemente do seu nível de força, do ponto de vista estratégico, sempre foram excelentes táticos.

Até a próxima!

Colunas

Contraponto