12h : 41min

Conheça o
Caderno + DL

Ler

Assine o Jornal por R$8
por mês no plano atual

AssineLer Jornal

Prevenindo a queda de idosos

Infelizmente, as estatísticas mostram tristes índices quando se considera as quedas de idosos como epidemia no Brasil

Comentar
Compartilhar
03 SET 2017Por Da Reportagem14h00

Segundo dados do Ministério da Saúde, estima-se que mais de 90 mil idosos são internados anualmente em decorrência de quedas, sofridas muitas vezes dentro da própria casa. 
Esses dados alarmantes trazem como consequência, além dos inconvenientes para a saúde do idoso, questões ligadas aos custos dos tratamentos e problemas de autoestima, sem contar que muitas vezes, após a queda, o idoso terá que conviver com sequelas permanentes.
Entre as causas de tombos estão o uso de produtos inadequados para a limpeza de pisos, tapetes mal colocados, falta de equipamento de apoio para o idoso, tais como alças específicas em sanitários e boxes, colchões inadequados para o tipo e tamanho da cama, calçado inadequado, iluminação insuficiente para o idoso, enfim, assim como se verifica itens de segurança quando existem crianças pequenas numa casa, o mesmo deve acontecer no caso de pessoas idosas, pois estas têm contra si outro elemento que é desgaste natural dos braços e pernas que se tornam frágeis por causa da idade, mas também para isso existe a prevenção: os exercícios físicos específicos. Claro que é preciso procurar a orientação de pessoas especializadas no assunto e, assim, um bom começo é conversar com o médico. 
Os exercícios para a Terceira Idade devem ter sempre o acompanhamento de um fisioterapeuta. Os treinamentos ajudarão a aumentar o tônus muscular dos membros inferiores e melhorar o equilíbrio.
A imagem do idoso andando vagarosamente, arrastando o chinelo precisa ser apagada. A possibilidade de melhorar a qualidade de vida, oferecendo maior disposição para as mais diversas atividades, inclusive viagens e passeios, é cada vez maior. 
Mas o sucesso depende do próprio idoso que precisa acreditar em seu potencial e investir em si mesmo, pois quanto maior a demora em aprimorar o seu fortalecimento muscular, maiores serão os riscos.
O dia-a-dia das pessoas idosas ociosas é dificultado até nas atividades corriqueiras, como subir uma escada, descer de um automóvel, caminhar em declives, sentar e levantar. 
Acima dos 60 anos, a ênfase deve ser para os exercícios de alongamento, com o objetivo de aumentar a amplitude dos movimentos e para a maior mobilidade corporal. A pessoa se torna mais ágil para as atividades do dia-a-dia. Também se deve focar no fortalecimento do músculo quadríceps (coxas), responsável pela flexão do quadril, ou seja, pela elevação dos joelhos, facilitando a caminhada.
Os exercícios indicados para o ganho de força e massa muscular são aqueles com uso de pesos, de acordo com a capacidade física de cada pessoa. A indicação é que sejam praticados em equipamentos de musculação adaptados aos usuários desta faixa etária, por apresentarem fácil ajuste e permitirem o aumento suave de carga.
Lembrando mais uma vez que é preciso a orientação de profissionais na área. A ordem é mexa-se para melhorar a qualidade de vida, não importa qual é a sua idade.

Colunas

Contraponto