06h : 10min

Conheça o
Caderno + DL

Ler

Assine o Jornal por R$8
por mês no plano atual

AssineLer Jornal

Algumas dicas de primeiros socorros para cães

O tratamento de emergência e primeiros socorros para animais de estimação nunca deve ser usado como um substituto para cuidados veterinários. Mas pode salvar a vida de seu animal de estimação antes que você possa levá-lo a um veterinário. Reunimos as mais

Comentar
Compartilhar
16 OUT 2016Por Da Reportagem14h00
Foto: Divulgação

 Quais são os principais acidentes que envolvem os cães?
São diversos os acidentes que envolvem os cães. Como exemplos, podemos citar os atropelamentos, que, mesmo sem qualquer sinal de trauma externo, requerem atenção do Médico-Veterinário devido à possibilidade de lesões nos órgãos internos, podendo comprometer a saúde do animal posteriormente. Outros acidentes frequentes são as intoxicações, o choque elétrico, o acidente ofídico e, claro, os traumas diversos (briga entre animais, traumatismos, coices, dentre outros).

 
Como se diferenciam os casos emergenciais dos urgentes?
Emergências são situações críticas inesperadas, súbitas, cujo pronto atendimento é fundamental à identificação do problema e correção de suas consequências, exigindo a imediata intervenção do Veterinário para garantir a sobrevivência do paciente. Já os casos urgentes representam situações perigosas, de aparecimento mais lento e previsível, cujo atendimento não pode ser adiado, requerendo solução em curto prazo, ainda que de maneira menos imediatista que nos casos emergenciais.

No caso de atropelamento do meu animal de estimação, quais devem ser os procedimentos de primeiros socorros?
Dependendo da magnitude do atropelamento é possível que haja danos a múltiplas estruturas corporais, incluindo órgãos internos, de modo que é imprescindível levá-lo ao Médico- Veterinário para que seja apropriadamente examinado, excluindo quaisquer possibilidades de lesão. Quanto aos primeiros socorros, se houver lesão musculoesquelética, deve-se cobri-la com um tecido limpo, procurando imobilizar a região corporal afetada durante o transporte até a Clínica Veterinária. Havendo hemorragias, pode-se tentar estancá-la com ataduras (fraldas descartáveis limpas podem ser empregadas para esse fim). Em todos os casos, contudo, não se deve perder tempo. Os segundos perdidos podem significar o insucesso dos procedimentos realizados pelo Médico-Veterinário quando o animal chegar ao consultório. Portanto, a recomendação mais apropriada é contatar o Veterinário imediatamente e seguir para a Clínica mais próxima.

Como deve ser o transporte do animal nos primeiros socorros?
Pode-se colocar o animal sobre um colchão de espuma no banco traseiro do carro, evitando movimentos bruscos. Para animais maiores e mais pesados, deve-se passar um lençol por baixo (como uma rede) para transportá-lo até o veículo. É importante que o animal esteja tranquilo (e o proprietário também), e lembre-se que segundos valem ouro nessas situações. Não se esqueça de contatar o Médico-Veterinário antes de sair de casa para que, ao chegar à Clínica, todos já saibam do ocorrido e estejam aptos a instituir o pronto atendimento.

 Em envenenamentos e picadas de cobra, como deve ser o procedimento?
Nos envenenamentos as manifestações clínicas do paciente variam conforme a substância tóxica envolvida, bem como o tempo de exposição e a quantidade a que foi exposto. De qualquer forma, se for presenciada a ingestão ou contato com qualquer agente possivelmente tóxico, leve o animal imediatamente ao Consultório Veterinário para ser examinado. Leve consigo a embalagem do produto ou anote o grupo químico a que pertence tal substância. Quando o contato for cutâneo ou pelos olhos, é importante lavar com água limpa em abundância. Quando houver ingestão, nem sempre é recomendado induzir o vômito. Se o animal convulsionar, proteja-o sobre um colchão de espuma ou edredom para evitar que se traumatize. Em alguns casos o contato pode não ter sido presenciado, mas existem produtos tóxicos no ambiente aos quais o animal pode ter tido acesso. Para alguns agentes tóxicos há antídotos, para outros não, sendo necessário tratamento sintomático. O Médico-Veterinário definirá a melhor alternativa em qualquer caso, mas é primordial que o animal seja examinado tão logo se suspeite de intoxicação. 

Colunas

Contraponto

Construtora CredLar