Santos

Guarujá espera que parte de multa aplicada pelo Ibama seja revertida em prol do Município

A Cidade espera que parte de multa aplicada pelo Ibama seja revertida em prol do Município

Comentar
Compartilhar
17 ABR 2018Por Da Reportagem00h31
Prefeitura espera que parte de multa aplicada pelo Ibama seja revertida em prol do MunicípioFoto: Luiz Torres/Arquivo DL

Com a multa aplicada pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), na última sexta-feira (13), à empresa Log-In em quase R$ 50 milhões de reais, pela queda de 46 contêineres no mar, no ano passado, a Prefeitura de Guarujá espera que parte do montante seja revertido em melhorias no Município.

"Fomos a primeira cidade da Região, a ser atingida pela queda de dois contêineres, que aconteceram na Praia do Saco do Major. Além disso, também logo depois aplicamos multa no valor de R$ 162.427,00. Por isso, estamos abertos para sentarmos com o Ibama, e demais órgãos, no sentido de dialogarmos sobre as compensações ambientais ao Guarujá", declarou o secretário de Meio Ambiente de Guarujá, Sidnei Aranha.

A consideração do secretário está embasada em decreto assinado pelo Governo Federal, no ano passado. O documento permite a conversão de multas ambientais não quitadas em prestação de serviços de melhoria do meio ambiente.

Além disso, tal a ação autoriza que mais de R$ 4 bilhões em multas aplicadas por órgãos federais como o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), sejam convertidas em investimentos ambientais.

A medida altera o decreto 6.514, de 2008, tomando por base a Lei 9.605, de 1998, a chamada Lei de Crimes Ambientais, que já prevê que as multas simples podem ser convertidas em serviços de preservação, melhoria e recuperação da qualidade do meio ambiente.

Colunas

Contraponto