Entrada da Cidade

Empresas interessadas em assumir saneamento e água fazem vistorias

Ao todo cinco locais foram vistoriados pelas empresas

Comentar
Compartilhar
13 MAR 2018Por Da Reportagem15h15
Representantes das empresas SAAB, OAS, AEGEA e Moyses & Pires Sociedade de Advogados vistoriaram estações de tratamento ontemFoto: Divulgação/PMG

Mais um importante passo para Guarujá passar a ter maior controle e qualidade nos serviços de abastecimento de água e coleta, tratamento e escoamento de esgoto da Cidade foi dado nesta terça-feira (13). Após autorização do juiz de direito da Comarca de Guarujá, que interveio no trâmite entre Prefeitura e Sabesp, as empresas qualificadas no Procedimento de Manifestação de Interesse (PMI) n.º 02/2017 realizam vistorias nas unidades de tratamento existentes no Município.

O desdobramento desta terça-feira (13) é fruto do interesse da Prefeitura de Guarujá, em melhorar a qualidade dos serviços prestados em fornecimento de água e saneamento na Cidade. Aberto no mês de junho de 2017, o PMI tem como objetivo autorizar que empresas desenvolvam projetos para subsidiar eventual processo de contratação pela Prefeitura. Na vistoria realizada hoje (13), quatro empresas estiveram presentes, sendo elas a Saneamento Ambiental Águas do Brasil (SAAB); OAS Soluções Ambientais S/A; AEGEA Saneamento e Participações S/A; e a Moyses & Pires Sociedade de Advogados.

Ao todo, cinco locais foram vistoriados pelas empresas, todas acompanhadas pela Sabesp, sendo eles a Estação Elevatória de Água Tratada (EEAT) R1 (Avenida Adhemar de Barros), Booster Vila Lygia, Estação de Pré-Condicionamento (EPC) Vila Zilda, e as Estações de Tratamento de Esgoto de Vicente de Carvalho e Jurubatuba.

Estas vistorias servirão de base para os estudos de um possível processo licitatório futuro, não podendo ser interpretado como garantia de contratação ou que irá realmente acontecer, nem gerando a obrigação da contratação das mesmas. Após a ação realizada nesta terça, as empresas já manifestaram interesse em novas vistorias, que deverão ser autorizadas e agendadas por intermédio do juiz de direito.

Ao final de todas as vistorias, as empresas envolvidas no processo deverão entregar, de acordo com o cronograma, um estudo no prazo de 120 dias. Após isso, o Conselho Gestor de Parcerias Público-Privadas (CGPPP/G) da Prefeitura publicará decisão indicando quais deles foram adotados, também seguindo a programação prevista.

Colunas

Contraponto