Técnico do Chile elogia evolução com Tite, mas vê fraquezas na seleção

A classificação da equipe chilena para a Copa do Mundo de 2018 se apoia nisso

Comentar
Compartilhar
10 OUT 2017Por Folhapress08h30
Técnico chileno vê fraquesas na equipe treinada por TiteFoto: MoWa Press

Juan Antonio Pizzi não entrou em detalhes, mas disse acreditar que a seleção brasileira tem fraquezas que podem ser exploradas pelo Chile. A classificação da equipe para a Copa do Mundo de 2018 se apoia nisso. Apesar de estar em terceiro nas eliminatórias sul-americanas, com 26 pontos, há o risco de eliminação se não vencer. Esse é o único resultado que classifica os chilenos sem que tenham de se preocupar com outros jogos.

Do vice-líder Uruguai para o sétimo colocado Paraguai, a diferença é de quatro pontos.

A partida será nesta terça-feira (10), às 20h30, no Allianz Parque, em São Paulo. O Brasil jamais foi derrotado em partidas pelas eliminatórias como mandante.

"A cada virtude que há em uma equipe adversária, há fraqueza. Assim como o Brasil. Temos muitas virtudes. Estou convencido que temos time para disputar o jogo com o Brasil. O trabalho de Tite é estupendo: modificou em pouco tempo a equipe, que era cercada de muitas dúvidas. Mas temos o mesmo tipo de individualidade", disse o treinador nascido na Argentina.

Pizzi vai esperar por Charles Aránguiz até o último momento. O volante ex-Internacional tem lesão na panturrilha. A crise no meio-campo se torna maior porque o principal nome do setor, o meia Arturo Vidal, está suspenso.

Argentino, Pizzi pode ajudar a eliminar a seleção do seu país. Não que esteja muito preocupado com isso. No ano passado, ele foi o técnico que derrotou os argentinos na final da Copa América. Depois da partida, Lionel Messi anunciou que abandonaria a seleção. Voltou atrás meses depois.

O treinador sabe que sua reputação está em jogo. O Chile viveu altos e baixos nas eliminatórias. Venceu na última rodada do Equador, em casa, mas havia perdido nas duas anteriores.

"Sem deixar de reconhecer a minha nacionalidade, também quero ser muito claro que minha ocupação esta pura e exclusivamente com a minha equipe. As demais seleções têm o trabalho delas. Eu me ocupo apenas com o meu jogo com o Brasil", afirmou.

O Chile esteve presente nas duas últimas Copas e, apesar de ter conquistado duas Copas Américas seguidas (2015 e 2016), não estar na Rússia em 2018 abriria uma crise na seleção do país.

"Sei o que vai se passar com qualquer uma das situações, faz parte do futebol. Estou preparado porque sempre fui equilibrado. Qualquer que seja o resultado, vou manter o equilíbrio", finaliza.

Colunas

Contraponto