00h : 39min

Conheça o
Caderno + DL

Ler

Assine o Jornal por R$8
por mês no plano atual

AssineLer Jornal

Rei dos clássicos, Copete quer acabar com 'maldição corintiana'

Desde que chegou ao Santos, em junho do ano passado, o colombiano marcou cinco gols em nove clássicos. No último, fez três. Contra o Timão, porém, ainda não marcou

Comentar
Compartilhar
05 SET 2017Por Diário do Litoral12h51
No último clássico, contra o São Paulo, Copete marcou três golsFoto: Divulgação/Santos FC

Desde que chegou ao Santos em junho de 2016, o atacante Jonathan Copete vem se destacando pela raça, virou o maior artilheiro estrangeiro do clube, com 22 gols, e agora também carrega a fama de carrasco dos rivais paulistas – até o momento, o colombiano marcou cinco gols em nove partidas.

No último clássico do Peixe neste ano, realizado no dia 09 de julho, ele marcou três gols e foi peça fundamental na vitória, por 3 a 2, sobre o São Paulo. No fim do Brasileirão do ano passado, ele também decidiu triunfos, por 1 a 0, sobre o Tricolor e o Palmeiras. O Corinthians, porém, ainda não foi vítima de Copete.

Ele, porém, terá a chance de acabar com a “maldição” neste domingo (10), quando o Santos terá pela frente a equipe do Parque São Jorge, na Vila Belmiro, pela 23ª rodada do Brasileirão. Por enquanto, o retrospecto não é bom: foram duas derrotas e uma vitória. Nas três partidas, o camisa 36 teve atuação apenas discreta.

“Seria importante marcar contra o Corinthians, seria uma marca importante para mim e para o time. O mais importante, porém, serão os três pontos para podermos nos abraçar ao fim do jogo e andar com a cabeça erguida para o restante do ano”, disse o colombiano nesta terça-feira no CT Rei Pelé.

Para ser o destaque do clássico deste final de semana, Copete terá que acabar com uma seca de gols. Ele não marca há seis jogos, deste a vitória, por 4 a 2, sobre o Flamengo, pela Copa do Brasil. A marca negativa, porém, não causa preocupação. O jogador prefere destacar a sua participação na segunda melhora defesa do torneio nacional e na campanha invicta na Libertadores da América.

“Temos uma responsabilidade grande de não sofrer e de marcar gols. Esperamos fazer os gols que estamos acostumados porque estamos fechando muito bem nossa defesa. Às vezes acontece, às vezes não. Estamos fazendo um bom trabalho e estamos em busca conseguir nosso objetivo, que é nos classificar”, completou.

O técnico Levir Culpi ainda promoverá alguns testes até o fim da semana, mas a tendência é que ele mantenha o atacante entre os titulares, ao lado de Ricardo Oliveira e Bruno Henrique. A única mudança deve acontecer no setor defensivo: a entrada do zagueiro Gustavo Henrique no lugar de David Braz, que terá de cumprir suspensão automática neste final de semana.

Colunas

Contraponto