14h : 51min

Conheça o
Caderno + DL

Ler

Assine o Jornal por R$8
por mês no plano atual

AssineLer Jornal

Pedrinho recebe elogios e pode até ser titular contra o Red Bull

A possível titularidade, porém, se dá mais pela falta de alternativas no setor do que pelo bom início do destaque da última Copa São Paulo de Futebol Júnior

Comentar
Compartilhar
20 MAR 2017Por Gazeta Press15h30
Pedrinho fez sua estreia no profissional diante da FerroviáriaFoto: Rodrigo Gazzanel/Ag. Corinthians

O garoto Pedrinho fez sua estreia pelo Corinthians no domingo, na derrota por 1 a 0 para a Ferroviária, em Araraquara, e já deixou animado o técnico Fábio Carille. Mesmo com a derrota, lamentada pelo treinador e pelo jogador, o jovem tem boas chances de ser titular na partida de quinta-feira, 17h (de Brasília), no estádio de Itaquera, contra o Red Bull.

“Gostei bastante dele. Já estou gostando no dia a dia, claro que a referência fica no jogo para as outras pessoas, mas nos treinos ele já vem dando uma ótima resposta. Entrou com personalidade, indo atrás da bola, percorrendo o meio-campo, como um armador mesmo. A gente está muito feliz com isso”, avaliou o comandante.

A possível titularidade, porém, se dá mais pela falta de alternativas no setor do que pelo bom início do destaque da última Copa São Paulo de Futebol Júnior. Sem Marquinhos Gabriel e Giovanni Augusto, machucados, Romero, na seleção paraguaia, e Jadson, suspenso, Carille tem apenas três opções para as pontas frente aos campineiros.

O favorito é Marlone, que teve poucos minutos em campo até o momento e já ouviu da comissão técnica que jogará mais vezes neste final de primeira fase do Paulista. A outra, porém, tem disputa aberta entre Léo Jabá, em baixa após má apresentação diante da Ponte Preta, e o próprio Pedrinho.

“No primeiro tempo lá em Araraquara a equipe toda foi abaixo. O time inteiro foi muito abaixo do que pode ser. Estamos trabalhando sério, firme e as oportunidades vão aparecer para todos”, comentou Carille, que não encara a rotação do elenco como uma série de “testes” antes do mata-mata.

“Não dá para falar em teste no profissional do Corinthians. Estamos sem Jadson, Romero, Giovanni Augusto… É complicado montar. Existe entrosamento porque todos atuam juntos e treinam há dois meses. Podemos fazer muito mais nos próximos jogos”, concluiu.

Colunas

Contraponto