08h : 11min

Conheça o
Caderno + DL

Ler

Assine o Jornal por R$8
por mês no plano atual

AssineLer Jornal

Marcelinho revela: “Neymar e Daniel Alves não queriam jogar com Dunga”

Do temor em não se classificar para a Copa do Mundo de 2018, a equipe agora vislumbra assumir a liderança das Eliminatórias Sul-americanas na próxima terça-feira

Comentar
Compartilhar
10 OUT 2016Por Gazeta Press13h50
Para Marcelinho Carioca, se o técnico não souber gerir as indiferenças do grupo ele não durará no cargoFoto: Reprodução

Não é preciso ser um grande especialista para notar a evolução da Seleção Brasileira desde a troca no comando técnico. Do temor em não se classificar para a Copa do Mundo de 2018, a equipe agora vislumbra assumir a liderança das Eliminatórias Sul-americanas na próxima terça-feira. A saída de Dunga e a chegada de Tite foram cruciais para essa reviravolta, revelou Marcelinho Carioca ao programa Mesa Redonda, da Gazeta Esportiva, na noite deste domingo.

“Vou falar uma coisa aqui de fonte segura: O Neymar e o Daniel Alves não queriam trabalhar com o Dunga. Eles não queriam estar jogando, não queriam estar ali. A maior virtude do Tite é essa. O Dunga era uma liderança que não tinha mais voz ativa. Uma liderança que os caras não queriam ele. Ai vem um cara que te aconselha, te abraça, chega e bota o grupo juntinho. Você vê a foto no avião, todo mundo junto. Esse é o ponto e eu posso garantir seguramente”, contou o eterno Pé de Anjo, dando mais detalhes que ajudam a explicar o momento da Seleção.

“O cara pode ter o nome que for. Se não tiver empatia dos atletas, não vai fluir”, disse. “O Tite convocou o Paulinho e o Giuliano. O grupo pensa: ‘vamos ver se vai jogar’. Foi (o Tite) e bancou o Paulinho, que conseguiu render. O grupo sabe quem é o lateral direito, o zagueiro, o goleiro… O grupo sabe quem tem garrafa vazia para vender, sabe quem tem o talento. Como ele consegue recuperar o Giuliano de uma hora para outra na Seleção?”, completou Marcelinho.

Paulo Zagallo, filho do Velho Lobo, também convidado do programa, concordou que a atitude dos atletas brasileiros em campo mudou desde que a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) decidiu mudar o comando técnico.

“Uma coisa que você nota agora é que a Seleção está mais solta, mais leve. Os jogadores mais criativos, com mais liberdade e com mais vontade. Quando perde a posse, o time tem recomposição. Até Neymar vem marcar. O Gabriel Jesus tem liberdade, se movimenta, vem Neymar, passa o Philipe Coutinho, chega o Renato Augusto. A equipe está mais leve, tem mais vontade”, observou Paulo Zagallo.

Colunas

Contraponto

Construtora CredLar