02h : 00min

Conheça o
Caderno + DL

Ler

Assine o Jornal por R$8
por mês no plano atual

AssineLer Jornal

Hamilton vence, mas Rosberg faz sua parte e é campeão mundial

Após um fim de semana de extrema pressão, o piloto alemão utilizou a vantagem a seu favor para, mesmo chegando em segundo no GP de Abu Dhabi, faturar o título

Comentar
Compartilhar
27 NOV 2016Por Gazeta Press13h30
Nico Rosberg superou a estratégia de Lewis Hamilton no fim para se sagrar campeão mundialFoto: AFP

Nico Rosberg, enfim, confirmou as expectativas e se sagrou campeão mundial de Fórmula 1 pela primeira vez na carreira. Após um fim de semana de extrema pressão, o piloto alemão utilizou a vantagem a seu favor para, mesmo chegando em segundo no GP de Abu Dhabi, faturar o título. Lewis Hamilton, principal rival na briga pelo campeonato, fez uma corrida tranquila para cruzar em primeiro após sair na pole position, mas seu notório fim de semana nos Emirados Árabes Unidos não foi suficiente para manter a hegemonia na categoria.

Com doze pontos de vantagem na classificação, Rosberg tinha tudo para conquistar o título inédito. Mesmo com uma vitória de Hamilton, o alemão só precisava garantir um lugar no pódio para acabar com as chances do seu companheiro de equipe. O britânico só conquistaria o tetracampeonato se Rosberg terminasse em quarto lugar, fato quase impossível pela grande soberania da Mercedes na atual temporada.

Nico Rosberg é o quarto alemão a se sagrar campeão da Fórmula 1. Seu país possui no total 13 títulos na categoria, sendo sete de Michael Schumacher, quatro de Sebastian Vettel e mais um de Jochen Rindt.

A corrida – Logo na largada as Mercedes se distanciaram. Sem problemas, tanto Hamilton, quanto Rosberg tiveram um início tranquilo, diferentemente de Verstappen, que colidiu com Hulkenberg na segunda curva e caiu de sexto para 18º no grid. Assim como fez no Brasil, o holandês precisou recuperar muitas posições na corrida, e com uma estratégia de pneus diferentes, pôde recolocar o carro da Red Bull nas primeiras colocações.

Enquanto a maioria dos pilotos começaram a prova com pneus ultramacios, a Red Bull ousou e iniciou com pneus supermacios, fato que proporcionou aos seus carros fazerem um número de paradas menor do que o restante do grid. A Ferrari também manteve um bom ritmo durante a prova e concorria com a equipe austríaca por um lugar no último pódio da temporada.

Ciente da necessidade de terminar na primeira colocação e Rosberg em quarto para assegurar o tetracampeonato, Hamilton diminuiu o ritmo para que os pilotos da parte de trás se aproximassem do alemão. Com isso, Rosberg foi forçado a ir para cima de Hamilton, tentando assumir a liderança da prova. Vettel, com pneus mais novos, era o mais rápido a poucas voltas do fim e, após ultrapassar Verstappen, passou a ser a grande ameaça do líder do campeonato.

A superioridade de Sebastian Vettel nos momentos finais era evidente. Lewis Hamilton forçava Rosberg a se arriscar, induzindo-o ao erro, fato que deixou o final da temporada ainda mais emocionante. Mesmo assim o alemão manteve a tranquilidade para segurar seu compatriota e superar a estratégia do rival de sua equipe para se sagrar campeão mundial de Fórmula 1 pela primeira vez na carreira.

Se despedindo da Fórmula 1, Jenson Button não pôde completar a prova por conta de problemas na suspensão do carro. Já o companheiro de equipe do britânico, Fernando Alonso, seguia fazendo milagre, levando um carro pouco competitivo a um honroso décimo lugar, atrás de Felipe Massa.

O brasileiro, que também se despediu da Fórmula 1 neste domingo fez uma corrida dentro de seus limites. Tida como a quinta força da categoria, a Williams pouco pôde oferecer aos seus pilotos nesta temporada. Se Valtteri Bottas teve de abandonar as disputas por problemas, fato que deu à Force India a quarta colocação no campeonato de construtores, Massa manteve uma regularidade durante as 55 voltas no circuito de Yas Marina para cruzar a linha de chegada em nono.

Já o outro brasileiro do grid, que ainda não sabe se irá continuar na Fórmula 1 em 2017, encerrou o ano com a penúltima colocação em Abu Dhabi. Diferentemente do GP do Brasil, onde teve o tempo instável como ajudante para pontuar, Felipe Nasr desta vez foi prejudicado em uma tentativa de ultrapassagem de Esteban Ocon, fato que o jogou para o fim do grid.

Confira a classificação completa do GP de Abu Dhabi:

1: Lewis Hamilton (GBR/Mercedes)

2: Nico Rosberg (ALE/Mercedes)

3: Sebastian Vettel (ALE/Ferrari)

4: Max Verstappen (HOL/Red Bull)

5: Daniel Ricciardo (AUS/Red Bull)

6: Kimi Raikkonen (ALE/Mercedes)

7: Nico Hulkenberg (ALE/Force India)

8: Sergio Pérez (MEX/Force India)

9: Felipe Massa (BRA/Williams)

10: Fernando Alonso (ESP/McLaren)

11: Romain Grosjean (FRA/Haas)

12: Esteban Gutiérrez (MEX/Haas)

13: Esteban Ocon (FRA/Manor)

14: Pascal Wehrlein (ALE/Manor)

15: Marcus Ericsson (SUE/Sauber)

16: Felipe Nasr (BRA/Sauber)

17: Jolyon Palmer (GBR/Renault)

Não completaram:

Carlos Sainz (ESP/Toro Rosso)

Daniil Kvyat (RUS/Toro Rosso)

Jenson Button (GBR/McLaren)

Valtteri Bottas (FIN/Williams)

Kevin Magnussen (DIN/Renault)

Colunas

Contraponto

Construtora CredLar