06h : 48min

Conheça o
Caderno + DL

Ler

Assine o Jornal por R$8
por mês no plano atual

AssineLer Jornal

Falta de combustível é possível causa de acidente com voo da Chapecoense

O diretor da Autoridade Civil de Aviação da Colômbia, Alfredo Bocanegra, não descartou a possibilidade de que o avião possa ter tido uma pane seca

Comentar
Compartilhar
30 NOV 2016Por Gazeta Press12h01
É possível que a falta de combustível possa ter causado a tragédia com o voo da ChapecoenseFoto: Luis Benavides/Associated Press/Estadão Conteúdo

Ainda aguardando informações contidas nas caixas pretas do avião, é possível que a falta de combustível possa ter causado a tragédia com o voo da Chapecoense que comoveu o mundo nesta terça-feira.

O diretor da Autoridade Civil de Aviação da Colômbia, Alfredo Bocanegra, não descartou a possibilidade de que o avião possa ter tido uma pane seca. Caso confirmada esta teoria, os especialistas teriam de averiguar o porquê de a aeronave estar sem combustível a poucos quilômetros do aeroporto de destino. Segundo entrevista de Bocanegra a uma rádio colombiana, as investigações podem durar entre seis meses e um ano.

Segundo reportou à Fox Sports o presidente da Associação de Pilotos e Proprietários de Aeronaves, George Willian, a falta de fogo ou uma explosão demonstra que o avião estava sem combustível. “De qualquer forma, é um milagre uma queda de voo noturno na floresta ter sobreviventes”, afirmou Willian.

“Esse avião tem autonomia para voar 1.600 milhas, a distância entre as cidades era de 1.540 milhas. Só que precisamos entender que essa aeronave também tem um modelo mais moderno, com autonomia para 1800 milhas”, acrescentou o especialista.

Willian, contudo, ressaltou que é preciso esperar mais informações. “Por enquanto, tudo o que se fala é especulação, não temos dados oficiais, mas isso será resolvido com as análises das caixas pretas”, afirmou.

O modelo em questão, fabricado pela British Aerospace, é o Avro RJ.85, também conhecido por BAe-146-200, e foi produzido até 2003. A aeronave usada pela Lamia, empresa boliviana de aviação, teve seu primeiro voo em março de 1999.

“Um avião precisa ter o seguinte plano de combustível:  o trecho que irá voar, mais a previsão de rota alternativa, mais uma sobra para 45 minutos de voo. Ele não tinha todo esse combustível, mas vamos esperar as caixas pretas”, completou Willian.

Colunas

Contraponto

Construtora CredLar