20h : 13min

Assine o Diário e o Santista por R$8 por mês no plano atual

Em estreia de Sampaoli, Argentina bate Brasil diante de 95 mil pessoas

Sob nova direção, a Argentina mostrou bastante ímpeto na partida de hoje, embora tenha sido apenas um amistoso

Comentar
Compartilhar
09 JUN 2017Por Gazeta Press09h29
Sob nova direção, a Argentina mostrou bastante ímpeto na partida de hoje, embora tenha sido apenas um amistosoFoto: Pedro Martins/MoWa Press

O técnico Tite, enfim, perdeu sua invencibilidade à frente da Seleção Brasileira. Nesta sexta-feira o Brasil não conseguiu se impor diante da nova Argentina de Jorge Sampaoli e acabou derrotado por 1 a 0 no Melbourne Cricket Ground, em Melbourne, na Austrália.

Sob nova direção, a Argentina mostrou bastante ímpeto na partida de hoje, embora tenha sido apenas um amistoso. Pressionando bastante a saída de bola e contando com seus principais jogadores, a Albiceleste acabou com a sequência de novo jogos e nove vitórias do técnico Tite graças ao gol de Mercado, aos 44 minutos do primeiro tempo.

Se por um lado Sampoli contou com Messi, Dybala, Di Maria e Higuaín, do outro Tite preferiu não chamar sete titulares de sua equipe, dando férias a todos eles e testando novas opções. A principal intenção do treinador é avaliar alguns jogadores que não costumam marcar presença em suas listas.

Sem Daniel Alves, Tite optou por Fagner na lateral-direita, setor onde a Argentina criou suas melhores chances na partida. O jogador do Corinthians não conseguiu neutralizar Di Maria, um dos melhores em campo no clássico. Rafinha, do Bayern de Munique, o substituiu aos 27 minutos do segundo tempo.

O jogo – Logo nos primeiros minutos a Argentina já mostrou a que veio. Di Maria recebeu em profundidade nas costas de Fagner e carimbou a trave de Weverton. Pressionando a saída de bola da Seleção Brasileira, o time de Sampaoli não deixava os adversários jogarem. Coutinho, Gabriel Jesus e companhia só conseguiram se soltar depois dos 15 minutos.

Aos 17 o Brasil, enfim, conseguiu uma boa troca de passes pela direita. Coutinho acionou Renato Augusto na entrada da área, que disparou para o gol, mas acabou mandando por cima. Quatro minutos depois foi a vez de Willian sair em contra-ataque e acionar Coutinho livre dentro da área, que ao dominar tentou driblar o goleiro e foi travado, desperdiçando a melhor chance do time canarinho na etapa inicial.

Antes do intervalo a Argentina voltou a encurralar o Brasil. Aos 42, Di Maria tocou para Dybala, que, com espaço, finalizou muito próximo do ângulo direito de Weverton. Dois minutos mais tarde a seleção albiceleste conseguiu finalmente balançar as redes. Mais uma vez Di Maria lançou na área, Otamendi cabeceou na trave e na sobrea Mercado mandou para o gol.

No segundo tempo o Brasil voltou muito melhor e disposto a virar o placar. Aos 17 minutos o time de Tite teve a melhor chance do jogo. Fernandinho deu um ótimo passe para Gabriel Jesus, deixando o atacante na cara do gol. Ele driblou o goleiro, mas acabou tendo seu chute bloqueado em cima da linha. No rebote Willian mandou na trave.

Tentando correr atrás do prejuízo, Tite optou por sacar Renato Augusto para a entrada de Douglas Costa. Com quatro atacantes, Seleção Brasileira passou a ficar ainda mais presente no ataque. Do outro lado, Jorge Sampaoli também realizou mudanças para frustrar os planos dos rivais e manter a consistência defensiva de sua equipe.

Nos minutos finais Taison, ainda entrou em campo na tentativa de, ao menos, conseguir o empate contra os hermanos, entretanto, já era tarde demais. A Seleção Brasileira volta a campo na próxima terça-feira, contra a Austrália, novamente no Melbourne Cricket Ground. Já a Argentina viaja a Cingapura para encarar a seleção local.

FICHA TÉCNICA
BRASIL 0 X 1 ARGENTINA

Local: Melbourne Cricket Groud, em Melbourne, Austrália
Data: 9 de junho de 2017, sexta-feira
Horário: 7h05 (Brasília)
Público: 95.569 pessoas

Cartões amarelos: Paulinho e Rafinha (Brasil); Maidana (Argentina)

GOLS:
ARGENTINA: Mercado, aos 44min – 1ºT.

BRASIL: Weverton; Fagner (Rafinha), Thiago Silva, Gil e Filipe Luís; Fernandinho; Paulinho (Giuliano), Renato Augusto (Douglas Costa), Philippe Coutinho e Willian; Gabriel Jesus (Taison)
Técnico: Tite

ARGENTINA: Romero; José Luís Gomez (Tagliafico), Otamendi, Mercado (Mammana) e Maidana; Banega (Lanzini), Biglia, Messi e Dybala (Guido Rodríguez); Di Maria e Higuaín (Joaquín Correa)
Técnico: Jorge Sampaoli

Colunas

Contraponto