19h : 59min

Conheça o
Caderno + DL

Ler

Assine o Jornal por R$8
por mês no plano atual

AssineLer Jornal

Indústria paulista demite 11.500 trabalhadores em setembro, revela Fiesp

Com esse resultado, a indústria paulista acumulou uma perda de 29 mil vagas no terceiro trimestre e de 86 mil postos neste ano

Comentar
Compartilhar
18 OUT 2016Por Estadão Conteúdo18h00
Dos 22 setores que integram a pesquisa, em setembro houve recuo em 13Foto: Divulgação

A indústria paulista demitiu 11.500 trabalhadores em setembro, o que representa uma queda de 0,49% no nível de emprego em relação a agosto, em termos dessazonalizados, divulgou nesta terça-feira, 18, o Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos (Depecon) da Federação e do Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp e Ciesp). Na série sem ajuste sazonal, o recuo na margem foi de 0,51%.

Com esse resultado, a indústria paulista acumulou uma perda de 29 mil vagas no terceiro trimestre e de 86 mil postos neste ano. O diretor titular do Depecon, Paulo Francini, considerou que o ritmo de queda diminuiu, mas ainda continua a haver cortes. "O que se quer é que não haja demissões", disse. 

O Depecon ainda continua projetando o fechamento de 165 mil vagas em 2016, o que, somando com as 235 mil demissões do ano passado, resulta em uma perda total de 400 mil vagas em dois anos. "É uma tragédia e que ainda não chegou ao final", sinalizou Francini. 

Dos 22 setores que integram a pesquisa, em setembro houve recuo em 13, com destaque, em valores absolutos, para o setor de veículos automotores, reboques e carrocerias, que teve saldo negativo de 3.108 vagas, e para máquinas e equipamentos, com corte de 2.714 postos de trabalho. Quatro setores ficaram estáveis e ainda cinco apresentaram comportamento positivo, com melhor desempenho do segmento de produtos minerais não metálicos, com 174 vagas criadas.

Na divisão regional, 25 das 36 diretorias tiveram recuo em setembro, em dez houve comportamento positivo, e um ficou estável. A maior variação negativa ocorreu em Santo André (-4,14%) e Matão teve a maior alta (2,6%).

Colunas

Contraponto

Construtora CredLar