06h : 48min

Conheça o
Caderno + DL

Ler

Assine o Jornal por R$8
por mês no plano atual

AssineLer Jornal

Faturamento do varejo na região do Litoral alcança R$ 1,7 bilhão em agosto

Elevações de 11,7% e 11,6% nos segmentos de farmácias e perfumarias e supermercados, respectivamente, ajudaram no desempenho positivo do varejo

Comentar
Compartilhar
25 NOV 2016Por Da Reportagem14h00
Faturamento do varejo na região do Litoral alcança R$ 1,7 bilhão em agostoFoto: Divulgação

Em agosto, o comércio varejista na região do Litoral registrou faturamento real de R$ 1,7 bilhão, alta de 5,6% na comparação com o mesmo mês de 2015. No acumulado dos oito meses do ano a elevação foi de 8% e nos últimos 12 meses, alta de 5,6%. Os dados são da Pesquisa Conjuntural do Comércio Varejista no Estado de São Paulo (PCCV), realizada mensalmente pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP), com base em informações da Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo (Sefaz-SP).

Cinco das nove atividades analisadas apresentaram crescimento em agosto na comparação com o mesmo mês de 2015. Os destaques positivos foram os segmentos de farmácias e perfumarias (11,7%), supermercados (11,6%) e outras atividades (4,4%), que juntos, contribuíram com 6,4 pontos porcentuais (p.p.) para o resultado geral.

Em contrapartida, os segmentos de lojas de vestuário, tecidos e calçados (-7,9%), eletrodomésticos, eletrônicos e lojas de departamentos (-5,6%) e concessionárias de veículos (-4,4%) apresentaram os piores desempenhos e, em conjunto, impactaram negativamente com 1,3 p.p. para o resultado do varejo do Litoral.

Desempenho estadual

Pelo terceiro mês consecutivo, o faturamento real do comércio varejista paulista apresentou crescimento na comparação interanual. Em agosto, as vendas no setor cresceram 2% em relação ao mesmo mês de 2015 e alcançaram R$ 47,8 bilhões. A sequência de três elevações não acontecia desde o período de dezembro de 2013 a fevereiro de 2014, há 30 meses. No acumulado do ano, porém, houve retração de 1% e em 12 meses, a queda foi de 4%.

Entre as 16 regiões analisadas pela Federação, 12 apresentaram crescimento no faturamento em agosto, na comparação com o mesmo mês do ano passado. Destaque para as regiões de Araraquara (8,1%), Marília (6,3%), Sorocaba (5,7%) e Litoral (5,6%) que registraram os melhores desempenhos. Já as regiões de Osasco (-7,3%), Guarulhos (-1,2%), São José do Rio Preto (-0,6%) e Bauru (-0,1%) tiveram desempenhos negativos na mesma base comparativa.

Das nove atividades pesquisadas, cinco mostraram aumento em seu faturamento real em agosto. Os destaques positivos ficaram por conta dos segmentos de autopeças e acessórios (10,7%), farmácias e perfumarias (9,9%), outras atividades (7,9%), supermercados (3,4%) e materiais de construção (2,4%). Juntas, essas atividades contribuíram com 3,8 pontos porcentuais (p.p.) para o resultado geral do varejo do Estado no mês.

Em contrapartida, as quedas foram vistas nos setores de eletrodomésticos, eletrônicos e lojas de departamentos (-12,2%), lojas de móveis e decoração (-6,2%), lojas de vestuário, tecidos e calçados (-6,1%) e concessionárias de veículos (-2,1%), que impactaram negativamente com 1,8 p.p. para rebaixar o faturamento do varejo paulista.

Segundo a assessoria econômica da FecomercioSP, com os novos dados positivos alcançados em agosto, o varejo paulista dá indícios cada vez mais claros de que uma reversão do ciclo recessivo é iminente. Mesmo que esse processo não esteja embasado na melhoria dos determinantes básicos do consumo – renda e emprego – há uma consistente recuperação nos níveis de confiança do consumidor nos últimos meses, pré-condição para permitir a saída de um cenário de baixa intenção de consumo. Além disso, a tendência de queda da inflação, constatada nos últimos meses, pode ser decisiva para a melhoria da conjuntura varejista até pelo menos o final de 2016.

Mesmo com o bom momento vivido pelo varejo, prevalecem fortes desajustes nos fundamentos econômicos, principalmente em relação ao desemprego e às contas do setor público. A Entidade pondera que enquanto não houver a redução desses desequilíbrios, será difícil a consolidação de um verdadeiro ciclo de recuperação das vendas varejistas em sentido amplo.

Expectativa

De acordo com a FecomercioSP, as projeções indicam que poderá haver estabilidade nos próximos meses, e caso se concretizem, levarão a um crescimento de vendas tanto para dezembro quanto para o acumulado no ano. Também podem haver índices mensais positivos, em função das baixas bases comparativas do segundo semestre de 2015, quando as quedas do faturamento se tornaram mais intensas. Além disso, a Federação acredita que a forte dinâmica atual nos fatos políticos e econômicos, tais como a votação da PEC do teto de gastos públicos, melhoria no comportamento da inflação e queda nos juros podem impactar positivamente essa tendência de estabilidade de consumo até o final do ano.

Para 2017, a Entidade afirma que não se devem esperar níveis de vendas superiores aos de 2016, dada a profundidade da atual recessão e o tempo necessário para maturação de novos investimentos.

 

Colunas

Contraponto

Construtora CredLar