Santos: a cidade que consome e produz cultura geek

Santos é a 4ª cidade mais nerd do País

Comentar
Compartilhar
14 FEV 2018Por Caroline Souza09h00
Santos é a 4ª cidade mais nerd do PaísFoto: Rodrigo Montaldi/DL

Você sabia que Santos é uma das cidades que mais consome cultura pop do Brasil? De acordo com levantamento de 2017, realizado pelo site amazon.com, Santos é a 4ª cidade mais nerd do País. A lista foi determinada a partir da quantidade de vendas do departamento geek da loja online para os municípios brasileiros acima de 100 mil habitantes.

Santos tem crescido no ranking nos últimos anos. Em 2015, estava em 8º lugar; em 2016, em 5º. Este ano, subiu mais uma posição, ficando atrás apenas de Florianópolis (SC), Niterói (RJ) e São Caetano do Sul (SP), que ocupam o 1º, 2º e 3º lugar, respectivamente.

O termo geek é uma atualização de nerd. Ambos identificam os consumidores de cultura pop. Mas nerd soa pejorativo para a maioria das pessoas. “O público é amplo, desde crianças de três anos até adultos de 80”, explica o quadrinista Fábio Tatsubô. “Se você lê quadrinhos, vê filmes e seriados de heróis, joga RPG ou outros jogos eletrônicos você é um geek”, complementa.

De acordo com Tatsubô, a cidade também tem uma grande aptidão artística, pois conta com desenhistas da Marvel e DC, chargistas e caricaturistas. Além do estúdio de animação Light Star e do estúdio de dublagem DPN Santos. A cada dois meses, o município tem um grande evento para o setor, como o Festival Geek, Santos Comic Expo, AnimeSummer e Cosfun.

“Santos tem que trabalhar para se transformar na capital de quadrinhos, pois já tem esse perfil. Todos esses artistas e produtores precisam ser conhecidos pela própria cidade”, alega o quadrinista.

O potencial geek da cidade também é uma oportunidade para novas ideias de negócios. Santos tem, por exemplo, a loja Caverna do Dragão, especializada em jogos de tabuleiro e card games. “Eu era advogada na capital e depois que tive um filho, quis mudar de ramo e abrir meu próprio negócio. A loja surgiu, pois já gostava desse universo e vi que a cidade não tinha nada desse tipo. A ideia não é só vender jogos diferenciados, mas ser um espaço de encontro para os jogadores”, explica a proprietária Yara Myasiro henriques. 

E que tal juntar tatuagem e comics? Thiago Peres é tatuador há sete anos e quando decidiu abrir o próprio estúdio em Santos, mas não queria ser só mais um entre tantos outros da cidade. “Me especializei em tattoo comics, e decidi unir estúdio e loja de quadrinhos, criando a Tattoomics”, comenta.

Para a cidade, essas lojas geram receita e oportunidade de trabalho e para o público, acesso ao universo geek sem sair da sua cidade.

A partir da próxima semana, você vai poder ler semanalmente no Santista a coluna ‘Mundo Geek’, escrita por Tatsubô.

Fábio Tatsubô

Fábio Tatsubô trabalha com quadrinhos desde 1991, sempre históricos e institucionais. “Os quadrinhos são uma ferramenta pedagógica e atraem as crianças. É uma forma objetiva de elas receberem a mensagem e criarem o hábito de ler”, diz.

De 2013 a 2017, Tatsubô foi curador da Gibiteca de Santos e transformou o equipamento em um ponto de encontro de quem produz com quem consome cultura pop. “Quando entrei, a Gibiteca fazia de 12 a 18 eventos por ano. Em 2013, recebeu 80 eventos e em 2016/17 cerca de 220 eventos anuais”, declara. 

A Gibiteca ganhou o troféu Angelo Agostini pela quantidade dessas atividades. Em 2017, Fábio ganhou o troféu nominal pelo seu trabalho de curadoria no local. “Quando não tem um ponto de encontro, as pessoas e os artistas não sabem uns dos outros. A ideia dos eventos é reunir essas pessoas, ter um ponto de encontro”, comenta.

O quadrinista também ganhou o Prêmio HQ Mix de 2000 com o projeto ‘500 Anos de Brasil em Quadrinhos’. Coordenou a Gibiteca Abigail, em São Vicente, de 2000 a 2006. Foi subeditor da editora Brain Storm, editando Mangá Kids e organizou o 1º Santos Criativa  - Festival Geek. 

“A coluna para ‘O Santista’ não vai tratar apenas de lançamentos, e sim falar sobre protagonistas que produzem quadrinhos na cidade. Mostrar quem produz e como entrar nesse mundo de quadrinhos profissional”, finaliza.

 

 

Diário da Copa

RUSSIA 2018
Faltam
dias para a Copa

Colunas

Contraponto