Entrada da Cidade

Livro de crônicas traz histórias ambientadas em Pato Branco (PR)

Seleção de 24 textos do jornalista Luiz Fernando Cardoso tem como destaque relatos de relacionamentos, muitos deles frustrados, mas sempre pautados no bom humor

Comentar
Compartilhar
12 MAR 2018Por Da Reportagem19h41
O livro digital de Luiz Fernando Cardoso traz uma seleção de 24 textos publicados em seu blog de crônicas, entre 2009 e 2013Foto: Divulgação

Distante 433 km de Curitiba, Pato Branco não é mais apenas a cidade da personagem Bozena, do ex-ministro da Saúde (no governo Collor) Alceni Guerra, do ex-goleiro Rogério Ceni e do atacante Alexandre Pato. Nas páginas do livro "Orfeu e Violeta: E outras histórias lá de Pato Branco", a cidade também é a terra do exclusivo X-Polenta, do reforçado café da manhã do Sabiá (onde ovos com bacon é para os fracos), do aromático expresso da Letra Café e das belas "Camilas, Vanessas e Grazielas".

Inspirado em histórias que se passam (ou que mencionam) Pato Branco, o livro digital traz uma seleção de 24 textos publicados pelo jornalista Luiz Fernando Cardoso em seu blog de crônicas, entre 2009 e 2013. "Naquele período, escrevi mais de cem crônicas, que renderam três livros. 'Orfeu e Violeta' é o primeiro deles", diz Cardoso. "Os outros dois livros de crônicas devem ser publicados, também em versão digital, ainda este ano", acrescenta o autor.

Com pitadas generosas humor, o e-book brinda os leitores com histórias que envolvem relacionamentos – nem sempre com final feliz – em suas idas e vindas da chamada "Capital do Sudoeste".

Como diz o autor do prefácio, o jornalista e escritor Rubens de Lima, membro da Academia de Letras e Artes de Pato Branco, "as aventuras e as pegadas entre os casais em foco, surgidos do imaginário ou de momento vivencial, fazem as narrativas bem interessantes, e apimentam a leitura".

Em "Orfeu e Violeta", Cardoso também mergulha em relatos de terceiros – além de suas próprias vivências – para turbinar as histórias de personagens como Cobain, o galanteador; Fundi, o gato; Iracema, Chico, Angela e outros mais, que contribuem para proporcionar uma cativante leitura. "Quem acompanhava o blog de crônicas gostou. Por isso, aposto que quem ler o e-book vai curtir também", diz Cardoso.

Com venda exclusiva pela Amazon, "Orfeu e Violeta: E outras histórias lá de Pato Branco" é um livro em formato Kindle, mas que também pode ser lido em qualquer tablet e smartphone (por meio do aplicativo Kindle) ou em computadores (com o Kindle Cloud Reader). Quem é cadastrado no Kindle Unlimitated (a Netflix dos livros digitais) não paga nada a mais para ler.

Vendido por R$ 8,90, o "Orfeu e Violeta" atingiu nesta segunda-feira (12) – quatro dias após seu lançamento – o primeiro lugar no ranking dos e-books mais vendidos da Amazon na categoria "Crônicas, Humor e Entretenimento". O endereço de publicação do e-book é amzn.to/2FBeDmS.

O 'Orfeu e Violeta' atingiu o primeiro lugar no ranking dos e-books mais vendidos da Amazon na categoria 'Crônicas, Humor e Entretenimento'

O Autor

Nascido em Laranjeiras do Sul (PR), em 1981, Luiz Fernando Cardoso cresceu em Pato Branco (PR), cidade natal de seus pais. Em 2004, após a graduação em Jornalismo, partiu para novos desafios, no Brasil e no exterior.

O jornalista, hoje com 37 anos, iniciou a carreira como estagiário do Diário do Sudoeste, ainda nos tempos de faculdade. Nos anos seguintes, foi repórter do Jornal de Beltrão, em Dois Vizinhos (PR); redator estagiário na Deutsche Welle, em Bonn (Alemanha); repórter no Diário de Minaçu (GO); repórter e editor em O Diário do Norte do Paraná, em Maringá (PR), em três passagens pelo jornal; editor e comentarista em telejornal da TV Maringá (Band) e colaborador da Folha de São Paulo, também em Maringá.

Mais recentemente, entre 2013 e 2015, Cardoso viveu com sua mulher em Joinville (SC), onde foi editor-chefe do jornal diário Notícias do Dia. Retornou para Maringá, no fim de 2015. Atualmente, o jornalista é repórter de O Diário (em greve) e assessor de imprensa do Sindicato dos Servidores Municipais de Maringá (Sismmar).  

Colunas

Contraponto