Santos

URGENTE: informativo atualizado da Defesa Civil de Cubatão

O pico de maré alta, represando as águas dos rios que chegam ao litoral, associado com as fortes chuvas, provocou inundações nas áreas próximas às suas margens, registrando-se alagamentos na Ilha Caraguatá e Vila Esperança e principalmente o Caminho de Pi

Comentar
Compartilhar
15 ABR 2018Por Da Reportagem18h33
Área do Caminho de PilõesFoto: Google Maps

Dia 15, 16h14 - O pico de maré alta registrado às 15h09, represando as águas dos rios que chegam ao litoral, associado com as fortes chuvas reinantes, provocou inundações nas áreas próximas às suas margens, registrando-se alagamentos em áreas como Ilha Caraguatá e Vila Esperança e principalmente o Caminho de Pilões, onde foi necessário abrigar diversas famílias na Sociedade de Melhoramentos local, segundo o coordenador da Defesa Civil, Levindo dos Santos Filho.
 
O secretário municipal de Assistência Social, Sebastião RIbeiro do Nascimento (Zumbi) foi para o local, acompanhado de equipes da Defesa Civil, para verificar a situação e cadastrar as famílias que precisem de assistência social. Segundo informou agora: "No momento estamos na associação de moradores. Há uma família desabrigada, e dezenas que tiveram suas casas invadidas pelas águas do rio, que teve seu nível alterado devido às fortes chuvas. A Defesa Civil se encontra no local, juntamente com as secretarias de Assistência Social e de Habitação, estamos levantando a real situação".
 
A secretária municipal de Habitação, Andréa Maria de Castro, informou estar no momento coordenando uma equipe de funcionários que dá apoio principalmente na área de Pilões. Ela explica que uma família aguarda a chuva passar, dentro da Sociedade de Melhoramentos: "Nenhuma casa foi derrubada pelas chuvas ou interditada pela Defesa Civil. Algumas pessoas foram preventivamente para casas de amigos e parentes, mas não são consideradas desabrigadas porque não perderam suas casas. Após a redução das chuvas serão levantados os eventuais prejuízos (móveis, documentos etc.)".
 
Segundo a Ecovias, a Via Anchieta agora opera normalmente nos dois sentidos, tendo sido levantada a interdição no km. 44. A Rodovia dos Imigrantes registra congestionamentos na região da Baixada Santista, devido a alagamentos e fluxo intenso de veículos, especialmente nos quilômetros 61 a 58, sentido para a capital paulista.

Dia 15, 12h10 - A Coordenadoria Municipal da Defesa Civil de Cubatão (Comdec) informa que as chuvas deste final de semana resultaram nas últimas 24 horas, até este horário, em acumulados pluviométricos de 125,4 mm registrados no posto Comdec, situado no centro de Cubatão; 76 mm no posto Ultrafértil; 134,2 mm no posto Cota 400; 139,2 mm no posto Casa 8; 67 mm no posto Paranapiacaba e 154,0 mm no posto Portão 40.
 
Apesar da chuva intensa, foi registrada pela Defesa Civil somente uma ocorrência: uma queda de barreira às 00h58 da madrugada deste domingo, no KM 44+600 metros da Rodovia Anchieta, pista Norte (sentido Santos/São Paulo). A situação nas encostas da Serra do Mar permanece sendo monitorada, porém estável e sem ocorrências, o mesmo ocorrendo na área do Polo Industrial, de forma que os planos preventivos de defesa civil para essas áreas, encerrados normalmente ao final do verão, em março passado, não precisaram ser reativados ainda. Não há também ocorrências significativas de alagamentos e outras decorrentes das chuvas até o momento, segundo a Comdec.
 
Da mesma forma, equipes da Secretaria Municipal de Manutenção e Serviços Urbanos estão percorrendo o município neste momento, para verificar eventuais problemas relacionados às chuvas e adotar as providências que se fizerem necessárias.
 
Dia 14, 12h00 - Ventos soprando em direção à costa - elevando o nível das marés -, junto com chuvas mais fortes, poderão causar alagamentos em alguns pontos do município e deslizamentos nas encostas de morros a partir deste sábado. A Defesa Civil do Município recebeu informe da Coordenadoria Estadual da Defesa Civil alertando para as mudanças climáticas que devem ocorrer neste final da semana.
 
A previsão é de ondas de até 2,5 metros até a próxima segunda-feira (16). Embora as ressacas atinjam mais diretamente as praias litorâneas, os efeitos disso costumam ser sentidos na forma de lâminas d'água cobrindo algumas vias em terrenos mais baixos, como a Ilha Caraguatá e áreas ao longo do braço de mar conhecido como Rio Casqueiro, além de eventual elevação no nível dos rios que atravessam o município (em razão do represamento das águas fluviais pela força da maré), durante os picos de maré alta. A população dessas áreas pode adotar medidas preventivas, como a elevação de móveis para evitar danos.
 
Chuvas mais intensas poderão ocorrer na região, cerca de 35 mm neste sábado, 80 mm no domingo, 60 mm na segunda-feira, baixando para 20 mm na terça-feira. Moradores em locais de risco, como as encostas da serra do mar, devem atentar para os sinais de deslizamento de terras, como a inclinação de árvores e postes, trincas e rachaduras no solo ou nas casas. Em tais casos, devem buscar abrigo em local seguro e comunicar a Defesa Civil para as verificações de segurança.
 
As equipes da Coordenadoria Municipal da Defesa Civil (Comdec) manterão plantão, podendo ser acionadas pelos munícipes pelo telefone 199. Outros órgãos da Prefeitura, como a Secretaria Municipal de Manutenção e Serviços Públicos, farão rondas de verificação e poderão ser acionados pelas autoridades, caso seja necessário. 

Colunas

Contraponto