Entrada da Cidade

Viadutos de Praia Grande cerceiam especiais e mães

A situação também causa constrangimento para gestantes que utilizam carrinhos de bebê e outros munícipes

Comentar
Compartilhar
23 NOV 2017Por Carlos Ratton10h00
Delegado Comin não concorda com a forma como foi executada a obra pela PrefeituraFoto: Diário do Litoral

Por questões de segurança, o corredor de passagem de pedestres sob alguns viadutos de Praia Grande receberam barras de alumínio. Ocorre que a iniciativa da Prefeitura vem, na verdade, causando dificuldade para dezenas de pessoas especiais, como mobilidade reduzida, como cadeirantes, por exemplo, que não conseguem ultrapassar os atuais obstáculos urbanos. A situação também causa constrangimento para gestantes e mães que utilizam carrinhos de bebê e outros munícipes.  

Um dos mais revoltados com a colocação de barras é o estudante de Direito Jackson Paula, que deverá recorrer ao Ministério Público (MP). Jackson é especial e engajado no movimento pró igualdade de direitos.

“É impressionante como acontece algumas coisas bizarras aqui na Praia Grande. Uma cidade que se diz tão moderna, para frente, consegue eleger vereadores tão incapacitados na gestão do seus projetos. Olha o que o nobre delegado Alexandre Comin propôs e foi aceito pelos demais vereadores. Isto no mínimo é inconstitucional! Simplesmente, estão cerceando o direito de ir”, disparou o Jackson Paula, referindo-se ao vereador Alexandre Correa Comin (PTB).   

O ativista segue dando-se com exemplo. “Como é que uma pessoa que utiliza cadeira de rodas vai passar nesse local? Eu, por exemplo, quando tenho que ir ao centro de consultas do meu plano de saúde, tenho que passar por um local assim. Como farei agora? E as mães que levam seus filhos nos carrinhos de bebê? Nobre vereador, vá se preparar melhor para propor as melhorias que a cidade precisa! Logicamente farei uma denúncia ao MP”, completa via rede social

Em Zigzag

A Secretaria de Serviços Urbanos de Praia Grande (Sesurb) explica que a instalação das barras foi uma ação emergencial a pedidos dos moradores dos arredores devido a diversos incidentes envolvendo motociclistas no local. Está programado para esta semana uma nova visita técnica ao trecho para verificar a possibilidade de o espaçamento das barras em formato de zigzag, com distância suficiente para a passagem de cadeiras de rodas, carrinhos de bebê, entre outros.

Paralelamente a isso, estão previstas ações de fiscalizações e de ampliação da sinalização viária. Denúncias podem ser feitas pelo  0800-7720194.

Câmara

O vereador Delegado Comin afirma que não tem nenhuma responsabilidade, pois apenas apresentou uma indicação, junto à Câmara de Vereadores, por meio da qual solicitava ao Executivo que fizesse estudos no sentido que construir labirintos cuja finalidade é coibir que marginais após praticarem delitos, descem fuga por esses túneis.

“No entanto, que fosse respeitado o direito garantido de mobilidade dos populares - cadeirantes, mães com carrinho de bebê, trânsito de bicicletas, entre outros”, afirma o parlamentar via assessoria de imprensa.

O vereador completa informando que Prefeitura executou o projeto da maneira que achou correta e que já expressou sua discordância em redes social, mostrando como de fato deveria ter sido feito.

Contrariado com a atual execução da obra, Comin finaliza informando que apresentará um requerimento solicitando esclarecimentos e imediata paralisação. “O projeto e a execução da obra é de inteira responsabilidade da Prefeitura”, conclui.

Colunas

Contraponto