20h : 06min

Conheça o
Caderno + DL

Ler

Assine o Jornal por R$8
por mês no plano atual

AssineLer Jornal

Turismo doméstico terá alta de até 7% com feriados de 2017

Estímulo para o crescimento está nos nove feriados prolongados deste ano e promoções de pacotes

Comentar
Compartilhar
08 JAN 2017Por Daniela Origuela08h00
Itanhaém está entre os roteiros mais procurados entre os paulistas, que passaram a viajar mais pelo próprio estadoFoto: Rodrigo Montaldi/DL

A movimentação do turismo doméstico deve crescer de 5% a 7% em 2017. Essa é a projeção da Associação Brasileira de Agências de Viagens de São Paulo (Abav-SP). Tendo como base 2015, que fechou em 3,5% e representou R$ 182 milhões no PIB, caso confirmada a expectativa para este ano o impacto econômico pode ser de até R$ 20 bilhões, segundo estimativa do Ministério que cuida do setor. O estímulo para a alta estaria nos nove feriados prolongados e na grande oferta de pacotes turísticos com condições comerciais atrativas ao público.

“Prevemos um aumento de 5% a 7% na movimentação do turismo em 2017 com relação a 2016. Sendo bem otimista acredito que este número ainda pode ser maior. O brasileiro incorporou a viagem no orçamento familiar. Além de ter incorporado no orçamento a viagem, diante da crise ele mudou o comportamento”, afirmou Marcos Balsamão, presidente da Abav-SP.

O presidente da entidade também comentou o impacto econômico que a alta no setor deve provocar neste ano. “Tomando por base o dado disponível sobre a participação direta do turismo no PIB brasileiro em 2015, que foi de 3,5% (R$ 182 bilhões), o impacto econômico do crescimento previsto pela Abav deve representar aumento de, no mínimo, R$ 9,1 bilhões a R$ 10,9 bilhões para economia nacional em 2017”.

Em consulta à área técnica do Ministério do Turismo, a entidade obteve uma estimativa ainda mais favorável. “O número que a área técnica trabalha é de movimentação da ordem de R$ 20 bilhões nos feriados, com exceção do Carnaval, Natal e Réveillon”, informou a assessoria de imprensa da pasta.

Roteiros

Segundo Balsamão, com a crise e a oscilação cambial, em 2016, os roteiros pelo Brasil foram mais procurados que para o exterior. “Em 2014 e 2015 a média de viagens internacionais era de 60%, enquanto as nacionais de 40%. As viagens domésticas nacionais representam hoje 60% e as internacionais 40%. Ou seja, o brasileiro não deixou de viajar e não deixará de viajar, apenas mudou o comportamento”, destacou.

As praias da Baixada Santista estão entre os roteiros mais procurados entre os paulistas, que passaram a viajar mais pelo próprio estado colocando-o no ranking dos cinco lugares mais visitados do País. “Aumentou muito as viagens de São Paulo para São Paulo. O estado entrou no ranking dos roteiros mais procurados. Temos Rio de Janeiro, seguido de Salvador, Recife e São Paulo (estado). As praias do litoral norte e sul estão entre os locais mais procurados, assim como algumas cidades do interior”, afirmou o presidente da Abav.

Comércio

Recentemente a Federação do Comércio (Fecomercio) estimou a perda de R$ 10,5 bilhões para o comércio varejista devido ao calendário deste ano, que conta com nove feriados prolongados. O presidente da Abav-SP disse que respeita a opinião, mas acredita que o consumo não vai cair.

“O turismo é o setor que mais emprega. Onde tem turismo tem comércio varejista e onde tem comércio varejista tem turismo. É óbvio que com os nove feriados prolongados em alguns setores a situação estará mais complicada, mas não dá para dizer que as pessoas deixarão de consumir”, afirmou Balsamão.

O presidente da Abav-SP justifica o consumo. “Em um feriado prolongado os turistas buscam comércio, lojas, bares, hotéis e restaurantes. Concordamos com a posição da Fecomercio, mas o turista acaba consumindo. Se não tem essa atividade econômica funcionando perde o turista. A atividade econômica do comércio varejista depende do turismo assim como o turismo depende do comércio. Os dois andam de braços dados”, afirmou. 

Jovem realiza sonho e abre agência de viagens

Apaixonado pelo turismo e atuando durante quatro anos em uma operadora do setor e três em cruzeiros marítimos, o agente de viagens Diego Luiz Pedro decidiu abrir seu próprio negócio. Há quase seis meses à frente da Turismo e Viagens pelo Mundo, em São Vicente, ele reforça a expectativa de crescimento em 2017.

“Desde os 18 anos sempre fui apaixonado pelo turismo. Após trabalhar quatro anos em uma operadora e conversar com pessoas experientes da área vi que era possível realizar esse sonho. Em pouco tempo da agência vi que fiz a escolha certa. A nossa expectativa é que este ano o setor cresça mais por conta dos feriados prolongados e das promoções oferecidas pelas companhias aéreas”, afirmou Diego.

Segundo o agente de viagens, a procura por pacotes nacionais é maior e a facilidade no pagamento também ajuda. “Apesar da crise, os passageiros ainda procuram mais as viagens aéreas. O mercado possibilita muitas formas de pagamento para os passageiros, podendo pagar em até doze vezes. Os pacotes rodoviários tiveram um aumento na procura por conta dos valores e das viagens rápidas”, destacou.

Entre os roteiros nacionais mais procurados na agência estão as cidades do Nordeste como Porto Seguro, Natal e Maceió. “Sempre aconselho meus passageiros: antes de conhecer outros países conheça o nosso Brasil”, ressaltou Diego.

Colunas

Contraponto