Santos

Secretário de São Vicente garante 1,6% de correção do IPTU

Os até 15% previstos, que estão causando ampla discussão na Cidade, deverão atingir praticamente terrenos, que não possuem área construída

Comentar
Compartilhar
17 NOV 2017Por Carlos Ratton10h10
Correção de IPTU em São Vicente deve ser de 1,6%Foto: Rodrigo Montaldi/DL

O secretário de Governo da Prefeitura de São Vicente, Jefferson Teixeira, disse ontem que a maioria dos imóveis da Cidade terá um reajuste linear do Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU), baseado na correção monetária, na ordem de 1,6%. Os até 15% previstos, que estão causando ampla discussão na Cidade, deverão atingir praticamente terrenos, que não possuem área construída.

Ele ratifica que correção do IPTU será pela inflação e aplicada a todos os munícipes. A variação que vem sendo citada refere-se à aplicação da Planta Genérica de Valores. Segundo faz questão de enfatizar, o percentual de 15% é um limitador e definido justamente corrigir uma lei de 2010, evitando aumentos excessivos. A Lei Complementar 875/17 prevê a implantação da Planta Genérica de Valores (PGV), em vigor desde 2010, mas sem aplicação desde então.

Sobre a repercussão da reportagem intitulada “Aumento Suspenso” veiculada na edição do Diário da última quarta-feira (15), o secretário faz questão de enfatizar que a liminar (decisão provisória) é de caráter parcial e não suspende a lei complementar (875/17). O texto da decisão provisória apenas exige que a interpretação do projeto esteja em conformidade com a Constituição, o que já acontece. “A decisão provisória simplesmente pede esclarecimentos da Administração em relação à lei, a fim de evitar dubiedades, que serão devidamente prestados nos autos”, reforça o secretário, garantindo, inclusive, que a licitação para impressão dos carnês já está em andamento. “Podemos emitir os carnês”, completa.     

Esclarecimentos

A Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADIN) foi ingressada pelo Partido Solidariedade e Liberdade (PSOL). A Justiça quer que o prefeito Pedro Gouvêa (PMDB) e o presidente da Câmara, vereador Wilson Cardoso (PSB) prestem esclarecimentos, para posterior decisão definitiva. O PSOL já havia obtido parecer positivo do Ministério Público (MP), que entendeu que a lei que permitiu o reajuste, enviada pelo Executivo e aprovada pelo Legislativo, seria ilegal.

O reajuste foi autorizado pela Câmara em 5 de outubro último, por 11 votos a zero, numa sessão ocorrida às 15 horas, com ausência de seis parlamentares e praticamente sem o acompanhamento da população, que chegou a fazer passeata.

O imposto teve como base de cálculo o valor venal dos imóveis e o valor total do recolhimento devido a título de Taxa de Serviços Urbanos (TSU), fixado este ano, servindo de base para o cálculo do valor a ser pago em 2018, sendo que o reajuste não poderá ser superior aos índices de atualização monetária aprovados pelo Governo Federal.

Colunas

Contraponto