Santos

Risco de acidente com contêineres ronda trânsito na Região

Baixada Santista não é a única que registra acidentes deste tipo

Comentar
Compartilhar
21 AGO 2017Por Vanessa Pimentel10h30
Segundo Codesp, operação de travar o contêiner no veículo é de responsabilidade do caminhoneiro e a fiscalização é realizada através da Guarda Portuária, no PortoFoto: Matheus Tagé/DL

No início deste mês, um contêiner caiu de uma carreta que trafegava no bairro Macuco, em Santos, durante a madrugada. De acordo com a Guarda Portuária, o condutor seguia em direção à Ponta da Praia, quando o contêiner se soltou do veículo e caiu. Não houve feridos no acidente.

A Região não é a única a registrar este tipo de ocorrência. Em julho de 2015, um contêiner caiu de um caminhão na Avenida Brasil, no Rio de Janeiro. Também não houve feridos e a operação de retirada do contêiner levou mais de duas horas.

Já em 2012, em Manaus, um contêiner que estava sendo transportado por um caminhão tombou e caiu em cima de um carro. O condutor do veículo, de 49 anos, não resistiu aos ferimentos e morreu.

A Baixada Santista tem um trânsito intenso de caminhões devido às operações portuárias. Por isso, a Reportagem questionou a Companhia Docas do Estado de São Paulo (Codesp, a Autoridade Portuária) para saber como é realizada a operação que prende o contêiner ao caminhão, quem fiscaliza esse procedimento e quais medidas são tomadas para evitar que mais acidentes como os descritos aconteçam e possam ter consequências mais ­graves.

Segundo a Codesp, a operação de travar o contêiner no veículo é de responsabilidade do caminhoneiro e a fiscalização de trânsito dentro dos limites do Porto Organizado é realizada através da Guarda Portuária.

“As operações verificam, dentre outros itens, se o veículo trafega com o contêiner travado, com o objetivo de prevenir acidentes como o citado”, afirma o órgão.

Já a Companhia de Engenharia de Trafego (CET) disse que oferece apoio operacional às ações da Codesp na área portuária e no restante do perímetro.

Também são realizadas juntamente com a PM, blitze visando à fiscalização do acionamento adequado de lockers (travas de segurança).

Sindicam confirma que responsabilidade de travar contêiner é do caminhoneiro

Segundo o presidente do Sindicato dos Caminhoneiros da Baixada Santista (Sindicam), Alexsandro Viviani, a operação de travar o contêiner é mesmo do caminhoneiro e que a fiscalização durante a operação só é mais severa quando o contêiner está cheio.

“O motorista está ciente disso e da responsabilidade dele, caso aconteça um acidente ocasionado pela falta das travas. Andar com contêiner solto é perigoso não só para o trânsito, mas o próprio condutor”, explica Rodrigo.

Ele diz que quando acontece um acidente, quem apura as causas é a Polícia Militar e caso seja confirmado que a caixa metálica estava solta, o motorista é multado em mais de R$ 1 mil por locker (são quatro) e responde juridicamente.

“Existem dois tipos de acidentes com contêineres em trânsito. Um deles é causado quando a transportadora não acondiciona de forma correta a mercadoria e ela acaba se mexendo podendo causar o tombamento do caminhão, mas sem a soltura da caixa. Já o outro tipo é quando o contêiner cai do caminhão pela falta de trava”, detalha o ­presidente. 

Colunas

Contraponto