Santos

Réveillon: barulho dos fogos pode ser prejudicial aos animais

É comum ver publicações nas redes sociais de pessoas que perderam seus animais, pois eles acabaram escapando de casa por conta do susto com os fogos

Comentar
Compartilhar
30 DEZ 2017Por Caroline Souza11h00
Por conta da audição apurada, os animais podem se assustar e ter reações insinstivasFoto: Arquivo/DL

A cada novo ano, após as festas de Réveillon, é comum ver publicações de pessoas que perderam seus animais, pois eles acabaram escapando de casa por conta do susto com os fogos. Foi assim que Giovanna Almeida e a família começaram 2017. A cadela Chapeca, de 15 anos, fugiu de casa e não foi recuperada até hoje.

“Tínhamos o costume de deixar ela sair para passear pela vizinhança, mas ela sabia o caminho de volta e era conhecida por todos os vizinhos da rua”, comenta. A família mora em Cubatão e saiu na véspera do ano novo para comemorar. De acordo com Giovanna, o portão da casa estava trancado, mas ela deve ter conseguido abrir. Assim que retornaram deram falta de Chapeca e começaram a buscá-la pela cidade.

“Vizinhos relataram que a viram, mas, como ela sempre saía, não perceberam seu medo e nem tentaram colocar ela de volta para minha casa. Publiquei no face e vi como as pessoas são solidárias quando se trata de animais.”, recorda. Infelizmente, Chapeca não foi encontrada.

Hoje, Giovanna tem um porquinho da índia e ainda não sabe como ele vai reagir ao barulho. “Vou ficar com ele no colo, buscando dar o máximo de conforto”, promete.

De acordo com a veterinária Isabelle Camelo, casos como esse são comuns nesta época do ano porque a audição deles é mais desenvolvida que a nossa e, quando ocorre o barulho, eles interpretam como uma explosão inesperada. Desta forma, o que para nós é uma tradição, pode causar danos aos animais.

A reação, no entanto, varia de animal para animal. De acordo com a veterinária, o comportamento habitual do animal deve ser levado em consideração. “Animais agitados vão se agitar mais e os medrosos terão um medo maior”, comenta.  Se seu animal já tem problemas de saúde, como alterações cardíacas ou quadros de epilepsia, a atenção deve ser redobrada.

Para quem mora na Baixada Santista ou trouxe seu animal de estimação para a região, a boa notícia é que, em respeito as legislações municipais, São Vicente e Peruíbe vão adotar apenas fogos silenciosos com efeitos visuais.

A lei que proibia fogos com barulho em Santos foi suspensa, pois a associação que representa o setor de fogos conseguiu na Justiça que a legislação fosse considerada inconstitucional. Mas a cidade não vai utilizar fogos de tiro, que fazem um grande barulho.

De acordo com a Secretaria de Turismo de Santos os fogos farão um estampido natural do acionamento, mas vão produzir um barulho bem menor do que os fogos de tiro.

Apesar de ainda não ter uma lei específica sobre o assunto, Bertioga não vai utilizar fogos de estampidos, reduzindo o barulho e dando ênfase aos fogos de efeitos luminosos.

A veterinária tem dicas para quem vai passar a virada do ano em outras cidades da Baixada, que terão fogos com barulho. “O ideal é deixar o animal em um quarto com janelas fechadas, colocar uma música um pouco mais alta e colocar um pedaço de algodão nos ouvidos do animal”, explica.

Em alguns casos, podem ser administrados calmantes naturais ou outros medicamentos. Mas, para isso, é preciso consultar um profissional da área. Além disso, mesmo que o seu animal não tenha medo dos fogos, não é aconselhável levá-lo para perto do barulho, pois isso pode prejudicar a audição do animal.

Colunas

Contraponto