Pref 13 e 14

Protagonismo e voz para os bairros-cota

Projeto de Comunicação Comunitária busca dar espaço às expressões culturais, artísticas e reivindicatórias dos moradores

Comentar
Compartilhar
15 JUN 2017Por Rafaella Martinez10h30
Projeto é tocado com o apoio da Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano e do Banco Interamericano de DesenvolvimentoFoto: Rodrigo Montaldi/DL

Desde jovem Josevaldo Barbosa, morador há 25 anos da Vila Fabril, nutria o sonho de trabalhar com comunicação. O desejo que queimava no peito do senhor de voz forte precisou ser adiado em inúmeras ocasiões, em razão da vida agitada que ele levava como enfermeiro. Um problema na coluna foi o divisor de águas que o afastou parcialmente da área da saúde e o inseriu no universo dos sons e das palavras: há sete anos ele é um dos responsáveis pelo programa de rádio ‘Voz do Morro’, um dos veículos de comunicação que integram o Projeto Comunicação Comunitária (Com Com) nos bairros-cota, em Cubatão.

O principal objetivo da empreitada, que teve início em 2010, é promover a integração dos bairros envolvidos no Programa Socioambiental da Serra do Mar de modo a dar espaço às expressões culturais, artísticas e reivindicatórias da comunidade, além de garantir o protagonismo dos moradores, resgatando a autoestima de quem faz parte da história da região.

Pessoas como o Josevaldo e seu sonho de falar sobre saúde de uma forma leve, o que é possível através das ondas de rádio. Ou como o Antônio ‘Trovão’, que não tem papas na língua e questiona os problemas do bairro. Ou ainda como a jovem Daiana Guadanhim, de 19 anos, a menina ‘descolada’ que entrou no projeto para fotografar e hoje pensa em trilhar profissionalmente os caminhos da comunicação.

Com o apoio da Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano (CDHU) e a ajuda do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), o projeto é composto por oficinas de textos, fotografia, reportagens de vídeo e edição. O Com Com atua hoje em diversas frentes: mídia impressa (Jornal Morro Vivo! Viva o Morro!); digital (Blog Projeto Com Com); televisiva (Programa Comunidade em Ação, transmitido pela TV Câmara, TV Polo e TV Unisantos) e rádio comunitária (Programa Voz do Morro, na webradio e na frequência 92,5 FM). Além disso, promove diversas oficinas e funciona como uma agência de publicidade.

“Nosso trabalho é focado em valorizar o morador: mostrar para comunidade o que a comunidade faz, pois quando está na mídia, o fato fica registrado na história”, conta Agner Rebouças. Ao lado de Jeronimo Vilhena, ele coordena o projeto.

Os moradores atuam como jornalistas e jornaleiros dos veículos de comunicação produzidos no espaço. No local, além das funções específicas, cada um auxilia no que pode para que o projeto aconteça, com todas as limitações existentes em uma redação tradicional.

A casa modesta, localizada em uma rua recém-urbanizada de Pinheiro do Miranda, possui um pequeno estúdio de rádio (onde fios e demais equipamentos radiofônicos dividem espaço com o colorido das paredes) e uma sala de reuniões, composta por uma mesa ampla e um quadro negro onde são inseridas as pautas da semana.

Os oito moradores de todos os núcleos que integram o programa (Cota 95/100, Cota 200, Cota 400, Cota 500 – e no sopé da serra ao longo do rio Cubatão – Pinheiro do Miranda, Água Fria, Pilões e Sítio dos Queirozes) recebem uma bolsa auxílio para manter as ações desenvolvidas.

“Conseguimos remuneração também em eventos que cobrimos e na produção de documentários. Algumas pessoas já saíram do Com Com para cursar uma faculdade e trabalhar em veículos de comunicação maiores. Isso é o que fica: os ensinamentos e as trocas que acontecem aqui nesse espaço”, conta a editora Celina Silva.

Para Antônio Clementino, o ‘Trovão’, a existência de um projeto de comunicação comunitária promoveu mudanças significativas no bairro. “Os moradores hoje sabem sobre o andamento das obras, os projetos e o que está acontecendo pela região. Também encontram um espaço para cobrar melhorias e denunciar problemas. Não existe politicagem: só gente disposta a colocar a mão na massa e trabalhar para que todos tenham um bairro melhor”, finaliza.

 

Colunas

Contraponto