Promo DL

Prefeitura descobre cadastro falso no Parque da Montanha, em Guarujá

Notícias falsas vêm sendo veiculadas nas redes sociais. Governo recomenda procurar Secretaria de Habitação

Comentar
Compartilhar
13 JUL 2017Por Da Reportagem10h00
O empreendimento Parque da Montanha, que deveria ser a solução para as pessoas de baixa renda que não possuem casa própria, se tornou um problemaFoto: Arquivo/DL

A Secretaria de Habitação (Sehab) de Guarujá está alertando a população sobre notícias falsas, veiculadas nas redes sociais, referentes a cadastro de inclusão no Parque da Montanha, localizado na Vila Edna, dando conta sobre transferência de imóvel e de auxílio aluguel.

Neste sentido, antes de qualquer negociação com referência a projetos habitacionais ou locação social, é necessário procurar a secretaria para esclarecimentos sobre a real situação do empreendimento. A secretaria fica no Paço Municipal Raphael Vitiello (Avenida Santos Dumont, 640 – Vila Santo Antônio). Telefone para outras informações: 3308-6980.

A Sehab ressalta ainda que antes de adquirir qualquer imóvel em área de ocupação irregular, com falsas promessas, o interessado deve dirigir-se à secretaria para consultar documentações e a real situação do imóvel. Contratos de compra e venda e instrumentos particulares de cessão de uso não garantem a propriedade do imóvel. Também deve ser verificado se a moradia encontra-se em área de preservação ou se conta com processo de danos ambientais.

Ministério Público

O empreendimento Parque da Montanha, que deveria ser a solução para as pessoas de baixa renda que não possuem casa própria, se tornou um problema que se arrasta há anos. Recentemente, conforme publicado pelo Diário, o Ministério Público Federal cobrou da Prefeitura a conclusão das obras.

O Parque da Montanha foi concebido pelo Programa Favela Porto Cidade, que recebe recursos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC I), do Governo Federal. Ele começou há sete anos e está parado há três.

O procurador Thiago Lacerda Nobre enviou dois ofícios ao prefeito Válter Suman – o primeiro em 24 de abril e ou segundo em 5 de junho últimos – para manifestação sobre a questão, alvo de inquérito civil público pelas mãos do ex-vereador Luciano Lopes da Silva, o Luciano China, autor da denúncia enquanto parlamentar, em 25 de maio de 2016.

Thiago Nobre quer que a Administração informe sobre a adequação orçamentária de infraestrutura do empreendimento anunciada recentemente tendo em vista o atraso na aprovação dos projetos executivos pela Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) e qual o planejamento sobre possíveis outras contratações até a entrega definitiva do conjunto habitacional, além do destino correto das moradias.

Construção

A construção do Parque da Montanha começou em 2009. O empreendimento envolve 1.962 apartamentos que seriam destinados a famílias da Prainha, Marezinha e Aldeia, núcleos carentes de Vicente de Carvalho. Ele foi erguido no final da Avenida Raphael Vitiello, na região da Vila Edna. O contrato foi assinado em outubro de 2007, ao custo total em R$ 125,8 milhões, dos quais R$ 51,9 foram liberados.

Obras do conjunto devem ser retomadas até o fim do ano

A Administração Municipal vê esse empreendimento como um descaso da antiga gestão, como inadmissível o estado em que se encontra a obra atualmente e encara o projeto como um dos maiores desafios do atual governo.

Segundo a Prefeitura, desde o início do mandato do prefeito Válter Suman, houve uma priorização nesse projeto, pensando na retomada da obra de infraestrutura (drenagem, pavimentação, água, esgoto) e produção habitacional (construção das casas).

Em relação às obras de infraestrutura foram alteradas as diretrizes da concessionária de água e esgoto, sendo que tal documento foi aprovado em 11 de janeiro último.
Devido a essa modificação, a empresa vencedora da licitação teve que alterar os projetos executivos junto a concessionárias, que foi aprovado em 12 de maio passado.

“Cabe salientar, que esse processo licitatório é de 2016, feito pela administração passada, e que se encontra paralisado, mas que agora tem previsão de retomada para o final de julho de 2017”, informa a Prefeitura.

Para a produção de unidade habitacional, o processo com a empresa Araguaia e a municipalidade encontra-se em discussão judicial. A Secretaria de Habitação (Sehab) está finalizando as planilhas orçamentárias junto com a de Planejamento (Seplan), para efetuar novo processo licitatório com o objetivo de contratar nova empresa para o término da obra. A previsão de retomada de obras é para o final de 2017.

Antonieta

A ex-prefeita Maria Antonieta de Brito já havia esclarecido que todas as informações sobre o conjunto habitacional no Parque da Montanha tiveram publicidade à época do seu mandato, inclusive na audiência pública de prestação de contas com o balanço de oito anos de gestão, em dezembro.

Colunas

Contraponto