22h : 26min

Conheça o
Caderno + DL

Ler

Assine o Jornal por R$8
por mês no plano atual

AssineLer Jornal

Polícia não recomenda uso de máscaras de palhaço nas ruas

Segundo delegado seccional, há “medo generalizado” e podem ocorrer reações violentas

Comentar
Compartilhar
16 OUT 2016Por Gilmar Alves Jr.08h00
Compartilhada no Facebook pela página “Desgraça Caiçara”, imagem no Canal 4 causou indignação na webFoto: Reprodução Facebook/Desgraça Caiçara

A onda internacional de aparições de palhaços aterrorizantes, que supostamente chegou a Santos com um episódio na Avenida Siqueira Campos (Canal 4), deve ser vista com cautela para quem pensa em se fantasiar dessa forma, conforme alerta a Polícia Civil. Segundo o delegado seccional de Santos, Manoel Gatto Neto, com a repercussão na internet da suposta aparição em Santos verificou-se que há um “medo generalizado” da população e podem ocorrer reações violentas. A recomendação, conforme frisa, é evitar esse tipo de prática.

Gatto Neto diz que não houve nenhuma queixa à polícia relacionada ao caso do Canal 4 e que não há investigação por enquanto, apenas acompanhamento do fenômeno em geral na internet.

Na hipótese de uma pessoa vestida de palhaço ostentar uma arma branca, como uma faca, uma foice ou um machado em via pública, por exemplo, pode estar sujeita a responder por contravenção penal (artigo 19 da Lei de Contravenções Referentes à Pessoa). A pena é de 15 dias até seis meses ou multa.

Uma conduta que provoque tumulto ou anúncio de perigo inexistente nas ruas pode gerar, respectivamente, enquadramento nos artigos 40 e 41 das Contravenções Referentes à Paz Pública. As penas também vão de 15 dias a seis meses ou multa.

Uma ameaça já configura crime, previsto no artigo 147 do Código Penal, e pode gerar pena de um a seis meses, ou multa.

Gatto Neto recomenda que qualquer pessoa que se sentir incomodada com a presença e uma eventual ameaça de uma pessoa vestida de palhaço deve acionar imediatamente a Polícia Militar pelo telefone 190.

“(Na delegacia) a gente precisar analisar a conduta, o que a pessoa está fazendo. O simples fato de estar vestido de palhaço portando um pedaço de pau não é crime”, diz o delegado.

Polêmica

A onda de aparições começou nos Estados Unidos em agosto deste ano. Ao menos vinte e um estados daquele país registraram denúncias de aparições e houve relatos de pessoas fantasiadas que chamavam crianças para ­bosques.

A onda se espalhou por diversos países, entre eles Reino Unido, Canadá, Nova Zelândia e Austrália.

Devido à polêmica, a rede McDonald’s decidiu diminuir, na última semana, o número de aparições do mascote Ronald McDonald.

O palhaço é mascote da rede de restaurantes desde 1963.

Colunas

Contraponto

Construtora CredLar