Entrada da Cidade

Plano de Defesa Civil entra em vigor com atenção ao fenômeno El Niño

O objetivo é monitorar a previsão meteorológica, acompanhar os índices pluviométricos e analisar as condições de segurança das encostas dos morros, entre outras ações

Comentar
Compartilhar
09 NOV 2018Por Da Reportagem22h01
Plano estende até 30 de abril de 2019Foto: Divulgação/PMS

As previsões climáticas para o verão 2018/2019 indicam a ocorrência do fenômeno conhecido como El Niño, o que torna provável um volume de chuvas acumuladas no Município superior à média histórica de 25 anos  - dezembro: 268,6mm, janeiro: 333,6mm, fevereiro: 279,4mm e março: 302,9mm. Sob essa possibilidade, entra em vigor, no dia 1º de dezembro, a 30ª edição do Plano Preventivo de Defesa Civil (PPDC) em Santos, que se estende até 30 de abril de 2019, período no qual as chuvas tendem a ser mais intensas e frequentes.

O objetivo é monitorar a previsão meteorológica, acompanhar os índices pluviométricos, analisar as condições de segurança das encostas dos morros, manter a população que reside em áreas de risco permanentemente informada e atuar antes da ocorrência de um deslizamento em ações preventivas, como remoção e abrigo de famílias que se encontrem ameaçadas por escorregamentos.

Desde final de outubro, equipes da Defesa Civil, órgão que coordena o plano, visitam áreas de risco, entregando comunicados e informando os moradores quanto aos cuidados para minimizar os riscos junto às encostas.

"A última morte relacionada a deslizamentos de encostas na área insular (ilha) de Santos foi em 2000. Esse resultado se dá em grande parte pela operação anual do PPDC, que completa 30 anos neste verão. No entanto, moradores desses locais devem continuar tomando cuidados preventivos, além de não ocupar novas áreas classificadas como impróprias à ocupação", afirmou o coordenador da Defesa Civil, Daniel Onias, ressaltando a preocupação com a influência do ‘El Nino’. “Não é possível ainda definir a intensidade de seu alcance no Brasil, mas vamos nos atentar”.

Alerta pelo celular

Assim como na edição passada, munícipes das áreas de risco poderão receber alertas, por meio de SMS (mensagem de texto no celular). Para receber a notificação é preciso enviar mensagem pelo celular para o número 40199, contendo seu CEP. As mensagens serão disparadas pela Defesa Civil do Estado de São Paulo com o objetivo de ajudar a preservar vidas em casos de chuvas fortes, enchentes, deslizamentos, incidência de raios e outros fenômenos meteorológicos.

Na última edição (2017/2018) foram atendidas pelo PPDC 63 ocorrências, sendo 31 quedas de árvores/galhos, 18 deslizamentos de solo/rocha, sete quedas de blocos rochosos, duas de muro e cinco ocorrências gerais como vistorias estruturais e quedas de materiais. O PPDC é desenvolvido em parceria com a coordenação da regional de Defesa Civil do Estado e tem apoio do IPT (Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo), IG (Instituto Geológico), polícias Militar e Ambiental, Corpo de Bombeiros, Ministério Público, Sabesp, CPFL e Telefônica.

Equipe

Durante a vigência do plano, equipe da Defesa Civil, composta por 40 funcionários, atua em regime de plantão 24h. Atendem a solicitações da população e prestam informações sobre situações de risco por meio do telefone 199 (gratuito). Integram o trabalho mais de 100 funcionários de diversas secretarias da Prefeitura, além da CET-Santos, Fundo Social de Solidariedade e Prodesan, facilitando ações integradas. Além disso, para atuar na prevenção de acidentes junto à comunidade, a Defesa Civil conta com os Núcleos de Defesa Civil (Nudecs), que capacitam moradores para casos de emergência. Só esse ano (janeiro a outubro) foram 130 pessoas que receberam treinamento.

Níveis de operação do PPDC e principais ações

Durante o plano, existem quatro níveis de operação, que variam de acordo com o acumulado de chuva, com a previsão meteorológica e evidências de instabilidade constatadas em vistorias de campo. São eles:

Observação (O acumulado de chuvas em 72h é inferior a 80mm) - Acompanhamento de índices pluviométricos e vistorias de rotina.

Atenção (O acumulado de chuvas em 72h é superior a 80mm) - Intensificação das vistorias de campo nas áreas anteriormente identificadas, especialmente setores de risco alto ou muito alto.

Alerta (O acumulado de chuvas em 72h é superior a 80mm e há a previsão de intensificação dos índices de chuva e do número de ocorrências) - Remoção preventiva dos moradores das áreas de risco iminente indicadas pelas vistorias e/ou mapeamento de áreas de risco alto ou muito alto.

Alerta máximo (O acumulado de chuvas em 72h é superior a 80mm e ocorrem escorregamentos generalizados com graves consequências) - Remoção de toda a população que habita áreas de risco.

Alerta

Quem reside em áreas de risco deve ficar atento a sinais de deslizamentos, trincas e rachaduras no solo, aparecimento de degraus ou rebaixamento do terreno, inclinação de árvores, postes, cercas ou muros. Valas com águas mais barrentas do que o normal, muros estufados, estalos ou aumento das trincas em paredões rochosos também são ocorrências que devem ser comunicadas imediatamente pelo 199. Para evitar acidentes, não se deve jogar lixo nem água servida nas encostas. É importante evitar a obstrução da drenagem e comunicar a Defesa Civil sobre qualquer vazamento nas redes de água e esgoto.

Colunas

Contraponto