Entrada da Cidade

MPT pede pagamento do 13º da Cursan em 15 dias

Ministério Público do Trabalho também cobrou agilidade no pagamento das rescisões

Comentar
Compartilhar
18 JUL 2017Por Da Reportagem10h30
Funcionários da Cursan ocuparam a sede da empresa logo após o anúncio de fechamento; autarquia foi fundada há 32 anos e empregava 542 funcionáriosFoto: Rodrigo Montaldi/DL

O Ministério Público do Trabalho (MPT) recomendou à Prefeitura de Cubatão o pagamento do 13º em atraso dos trabalhadores da extinta Companhia Cubatense de Urbanização e Saneamento (Cursan) até o próximo dia 2. Além deste benefício, os funcionários ainda aguardam o acerto das verbas rescisórias. A Administração Municipal informou que aguarda a liquidação total da autarquia para avaliar a situação.

A recomendação foi durante audiência realizada no último dia 17 com a participação de representantes da Cursan e Prefeitura de Cubatão e de dirigentes do Sindilimpeza e do Sintracomos, sindicatos que representam os funcionários da autarquia.  O MPT também cobrou agilidade do município e da empresa para a individualização e atualização dos valores devidos a cada um dos trabalhadores.

Durante a audiência, o Sindilimpeza ressaltou que adotou medidas judiciais cabíveis com relação aos pagamentos das rescisões, dos salários das gestantes e das licenças maternidade. O Sintracomos destacou que muitos trabalhadores estão com mandado de prisão expedido devido ao não pagamento de pensão alimentícia.

Por meio de nota, a Prefeitura de Cubatão informou que aguarda que o liquidante da Cursan faça um levantamento sobre o valor necessário para a quitação da obrigação, e que encaminhe à Prefeitura um pedido de aporte do valor. A partir disso, é que a Secretaria de Finanças poderá fazer um estudo financeiro para avaliar a situação.

Uma nova audiência foi marcada para o próximo dia 15 de agosto, às 13h30.

O anúncio do fechamento da Cursan foi feito em abril. Segundo a prefeitura, a autarquia, fundada há 32 anos, acumula dívidas de mais de R$ 110 milhões e não tem dinheiro em caixa. Duas empresas terceirizadas foram contratadas emergencialmente para realizar os serviços realizados pela companhia.

Colunas

Contraponto