09h : 24min

Conheça o
Caderno + DL

Ler

Assine o Jornal por R$8
por mês no plano atual

AssineLer Jornal

‘Miro’ é reeleito presidente do Sintraport

Em 86 anos de sindicato, é a primeira vez que não há chapa de oposição. De acordo com sindicalistas, bom trabalho do líder foi reconhecido

Comentar
Compartilhar
15 JUL 2017Por Vanessa Pimentel11h30
Apuração aconteceu ontem, após três dias de votação, iniciada na quarta-feira (12). Novo mandato será de quatro anosFoto: Rodrigo Montaldi/DL

Em chapa única e inédita, Claudiomiro Machado ‘Miro’ venceu a eleição no Sindicato dos Operários Portuários (Sintraport) de Santos e região. De acordo com o primeiro secretário, Wagner Honorato, até a tarde de ontem, Miro já havia conseguido o quórum necessário para se reeleger (1051 votos).

A apuração aconteceu na noite de sexta-feira (14), após três dias de votação, iniciada na quarta-feira (12). A posse para o mandato de quatro anos será no dia quatro de janeiro de 2018.

Miro está à frente do Sintraport desde 2015, quando ganhou a eleição para presidente pela primeira vez. Ele é o primeiro presidente do sindicato dos portuários oriundo da força supletiva de trabalho, onde ingressou em 1993.

O atual diretor de patrimônio e coordenador da campanha, Robson Apolinário, explicou que, após uma reforma ­estatutária, o novo mandato do presidente reeleito será de quatro anos e não mais três. “A ­mudança acompanha o tempo dos mandatos políticos e também se fez necessária para que o presidente tenha tempo de trabalhar de forma mais completa”, explica Robson.

Quanto à chapa única, o diretor acredita que o bom trabalho realizado por Miro inibiu a presença da oposição. “Além de manter os postos de trabalhos, Miro ampliou as vagas no setor e esteve sempre ao lado da categoria”, declara ­Apolinário.  

Wagner fez questão de enaltecer a categoria, que segundo ele, compareceu e votou, reforçando a representatividade do sindicato.

Novidades

A mesa diretora aumentou de dez para onze membros devido à criação da diretoria de aposentados, coordenada também por Robson Apolinário. Ele explica que com a Reforma da Previdência, é preciso que os aposentados tenham cada vez mais representatividade e uma organização mais efetiva.

Outra novidade é que pela primeira vez há uma mulher na diretoria do Sintraport. Thalita Santos é amarradora e desamarradora de navios e faz parte da Diretoria de Base.

Fim do imposto sindical

Sancionada pelo presidente Temer na última quinta-feira, a reforma trabalhista, que altera mais de cem pontos da CLT, acaba também com imposto sindical obrigatório. Mas, para Albino Calixto, o tesoureiro do Sintraport, a notícia não assusta.

“Se nós contássemos com a contribuição para nos mantermos, não estaríamos aqui. O valor que chega através do imposto não paga uma folha e meia de pagamento”, afirma.

Robson Apolinário também declarou que o Sindicato vai continuar e que por mais que sejam contra a medida, não temem a modificação.

Colunas

Contraponto