09h : 03min

Conheça o
Caderno + DL

Ler

Assine o Jornal por R$8
por mês no plano atual

AssineLer Jornal

Mais de 5kg de drogas são apreendidos em busca por homem acusado de atirar em policial civil

Wellington Medeiros de Pádua, conhecido como Wellington Barão, de 26 anos, não foi localizado em barraco alvo de denúncia

Comentar
Compartilhar
02 AGO 2017Por Gilmar Alves Jr.20h38
Os investigadores recolheram cocaína, crack, maconha e objetos relacionados ao tráficoFoto: Divulgação/Polícia Civil

Em uma busca pelo homem que atirou no policial Janer Chaves de Lima Júnior, da Delegacia de Investigações Gerais (DIG) de Santos, policiais da especializada recolheram na manhã de hoje mais de cinco quilos de drogas, entre cocaína, crack e maconha, em um barraco na Favela do Caranguejo, em Guarujá. 

Wellington Medeiros de Pádua, conhecido como Wellington Barão, de 26 anos, não foi localizado no barraco, apesar de uma denúncia anônima indicar que ele estava no local. 

Em uma outra diligência na mesma favela, visando localizar a arma usada no crime, policiais vistoriaram um imóvel de um rapaz ligado ao tráfico e apreenderam 50 cápsulas de cocaína e 41 pedras de crack. 

O acusado, de 23 anos, foi localizado na casa da namorada ao lado e negou ter informações sobre a arma do crime. Ele admitiu, porém, seu envolvimento com o ­tráfico. 

Operação

Janer participava de uma operação da DIG para reprimir o tráfico na terça-feira quando a equipe da qual participava foi recebida a tiros próximo a um beco na Favela do ­Caranguejo.

Tão logo identificaram que se tratava de uma viatura descaracterizada, Matheus da Silva dos Santos, de 18 anos, e Wellington Barão iniciaram os disparos, segundo a polícia.

Janer conduzia a viatura. O disparo inicialmente atingiu o colete balístico do policial, na altura do tórax, rompeu a capa protetora e arrastou-se até romper a capa do lado oposto, transfixando o corpo e alojando-se no ombro.

Mesmo ferido, Janer revidou, assim como mais dois investigadores. Matheus foi preso em flagrante.

O policial e o acusado foram submetidos a cirurgias, respectivamente em hospitais de Santos e Guarujá, e passam bem. 
 

Colunas

Contraponto