Santos

Governo prevê início de obra da ponte Santos-Guarujá até dezembro

A ligação seca, com sete quilômetros de extensão, será construída entre a Rodovia Anchieta, no km 64, e a Rodovia Cônego Domênico Rangoni, no km 250

Comentar
Compartilhar
13 JUN 2018Por Gilmar Alves Jr.18h13
O governador Márcio França (PSB) concedeu as autorizações para projetos à Ecovias, que irá construir a ponteFoto: Rodrigo Montaldi/DL

O governador de São Paulo, Márcio França (PSB), anunciou nesta quarta-feira (13) que pretende dar a ordem de serviço para a obra da ponte Santos-Guarujá até dezembro. França disse esperar que a ligação seca seja entregue até 2020.

A ponte, com cerca de sete quilômetros de extensão, será construída entre a Rodovia Anchieta, no km 64, em Santos, e a Rodovia Cônego Domênico Rangoni, no km 250, em Guarujá. A obra ficará a cargo da Ecovias (concessionária que administra o Sistema Anchieta-Imigrantes), que recebeu nesta quarta autorizações de França para realizar os projetos funcionais e executivos.

O governador concedeu as autorizações à concessionária no Salão Nobre da Prefeitura de Santos, cidade que foi sede do Governo de São Paulo nesta quarta em homenagem aos 255 anos do nascimento de José Bonifácio, patrono da Independência e Herói da Pátria.

O custo estimado da ponte, segundo França, será cerca de 1/3 do valor previsto para o túnel, que é de R$ 3,2 bilhões.

Ele disse que a ponte é a opção "mais rápida, mais barata" e a que é possível. "Eu tenho insistido em encontrar soluções mais simples, dentro do que é possível. Nesta solução (ponte) não tem recurso do Estado, é uma obra particular, que será feita pela Ecovias no regime de aditamento de contrato da concessão dela".

"O túnel, na hora que tiver o recurso, lá na frente, em algum momento que o Brasil esteja melhor financeiramente, a gente pode voltar a pensar", declarou.

Logística

A ponte, segundo a Ecovias, terá como objetivo "proporcionar fácil e rápida movimentação logística do Porto de Santos e ser uma opção de mobilidade urbana".

A travessia de balsas seguirá funcionando,após a ligação seca ser concluída, mas a demanda deverá ser reduzida como reflexo.

Entrada de Santos

Os projetos da Ecovias incluirão, também, a previsão de obras para a adequação e compatibilização da entrada de Santos com a nova interligação.

As obras, segundo a Agência de Transportes do Estado de São Paulo (Artesp), incluem melhorias na Rodovia Anchieta, com alargamento da ponte sobre o Rio Casqueiro (Cubatão), adequação da SP-148 da Alemoa até o Piratininga e implantação de passarelas.

"Haverá, ainda, facilidade de acesso do bairro Piratininga, da Zona Noroeste de Santos, e do município de São Vicente à Pista Norte da SP-150 (Anchieta), além da eliminação de problemas de inundações na SP-150, com obras de drenagens", informou a Artesp.

A ligação seca, com sete quilômetros de extensão, será construída entre a Rodovia Anchieta, no km 64, e a Rodovia Cônego Domênico Rangoni, no km 250 (Foto: Reprodução)

Imigrantes

França também assinou autorização que possibilitará à Ecovias realizar projetos funcionais e executivos para melhorias no trecho urbano da Rodovia dos Imigrantes (SP-160), entre os km 62 e o km 68, em São Vicente.

As intervenções previstas são implantação de iluminação; melhorias nas passagens inferiores com reforço na iluminação e orientação para pedestres e ciclistas; revitalização sob o viaduto do km 68; modernização no sistema de monitoramento com adequação de quatro câmeras para detecção automática de acidentes; organização de acessos e obras de prevenção de enchentes.

"As intervenções irão melhorar a segurança viária, integrar a rodovia às comunidades vizinhas, melhorar a fluidez e reduzir os problemas com enchentes", diz a Artesp.

Colunas

Contraponto