Santos

Governo do Estado assina parceria para 3.481 moradias em nove municípios

Medida vai beneficiar mais de 12 mil pessoas nas regiões de Araraquara, Bauru, Ribeirão Preto, RMSP, Santos, São José dos Campos, Sorocaba e na capital

Comentar
Compartilhar
06 FEV 2018Por Da Reportagem20h01
Assinatura foi realizada nesta terça-feira (6)Foto: Divulgação

O governador Geraldo Alckmin, em parceria com o Governo Federal, assinou, nesta terça-feira, 6, a contratação da construção de 3.241 novas moradias em oito municípios paulistas. No último sábado, 3, a cidade de São José dos Campos também obteve autorização para a construção de 240 uhs do Conjunto Habitacional Cajuru II.

Os empreendimentos são resultado de parceria entre os municípios, que doaram os terrenos e indicarão as demandas a serem atendidas; Estado, que fará aporte de R$ 63,4 milhões por meio da Agência Casa Paulista; e União, que destinará cerca de R$ 318 milhões de recursos do Minha Casa, Minha Vida, dentro das regras do FAR e conforme o porte de cada município. Ao todo, são mais de R$ 381 milhões de investimento para as novas unidades habitacionais.

“É uma boa parceria, quando damos as mãos o povo ganha”, comentou Alckmin no evento que aconteceu na Prefeitura de São Paulo. “São famílias que vão poder sair do aluguel e realizar o sonho da casa própria. E famílias que precisam, tem um alto subsídio nesse trabalho. É habitação de interesse social, proporcionando moradia para quem realmente necessita. E se não fosse esse aporte, não teriam condições de realizar esse direito e esse sonho”, celebrou o governador, destacando o emprego gerado. “Por outro lado é emprego na veia. Quatro mil empregos diretos, fora os empregos indiretos. Estamos falando de quase 12 mil empregos”, disse.

O município de São Paulo será contemplado com 1.248 novas moradias, com investimento de R$ 119 milhões do Governo Federal, R$ 25 milhões do Estado e R$ 18 milhões da Prefeitura. As demais 1.993 moradias serão construídas nos municípios de Aguaí (181 uhs – Condomínio Residencial Rosas I e II, com aporte de R$ 1,7 milhões da Casa Paulista); Boituva (300 uhs – Residencial Villagio das Oliveiras, com aporte de R$ 4,5 milhões da Casa Paulista); Jaú (117 uhs – Conjunto Habitacional Jaú P, com aporte de R$ 1,8 milhões da Casa Paulista); Morro Agudo (100 uhs – Residencial Cidade Nova Etapa I, com aporte de R$ 1 milhão da Casa Paulista); Osasco (300 uhs – Condomínio Vila Alemanha, com aporte de R$ 4,9 milhões da Casa Paulista); Praia Grande (588 uhs – Condomínio Residencial Vitória, Jardim Imperador III, Conjunto Habitacional Imperador IV, Jardim Imperador V e Jardim Imperador VI, com aporte de mais de R$ 16 milhões da Casa Paulista); e Sertãozinho (407 uhs – Conjunto Habitacional Cruz das Posses I, com aporte de R$ 3,1 milhões da Casa Paulista).

Morar Bem, Viver Melhor

Reúne todas as ações e investimentos em habitação, como infraestrutura, urbanização, requalificação, acessibilidade, qualidade das construções e equipamentos, cuidados com o meio ambiente e qualidade de vida para as famílias atendidas.

Parceria

Em janeiro de 2012, o Governo do Estado selou parceria com o Governo Federal para a viabilização de mais 100 mil novas moradias no Estado, meta superada em dezembro de 2014. O acordo é executado pela Casa Paulista, agência de fomento habitacional lançada pelo governador Geraldo Alckmin em setembro de 2011, e pelo Programa Minha Casa, Minha Vida. Os agentes financeiros executores são a Caixa Econômica Federal e o Banco do Brasil.

Casa Paulista

A Agência Casa Paulista foi criada em setembro de 2011, pelo Governo do Estado de São Paulo, para fomentar a habitação de interesse popular e acelerar o atendimento à demanda habitacional em território paulista. Classificada como marco substancial de mudança na política habitacional em São Paulo, estabelece parcerias, capta recursos junto a governos, agentes financeiros e iniciativa privada e destina subsídios e microcréditos para viabilizar ou melhorar as condições de moradias para famílias de baixa renda, especialmente entre um a cinco salários mínimos.

Colunas

Contraponto