Entrada da Cidade

Ensino a distância é bem visto no mercado de trabalho

A modalidade registrou um aumento de mais de 20% no número de ingressantes em 2016

Comentar
Compartilhar
10 DEZ 2017Por Vanessa Pimentel11h31
O ensino a distância (EAD) vem cresecendo no PaísFoto: Divulgação/Governo Federal

O ensino a distância (EAD), modalidade que oferece formação superior sem exigir a presença diária do aluno em sala de aula, vem crescendo no país e registrou um aumento de mais de 20% no número de ingressantes, de acordo com o Censo de Educação Superior 2016, divulgado em agosto passado, pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Edu cacionais Anísio Teixeira (Inep).

Neste cenário, encontrar algum tipo de resistência ou preconceito por parte do contratante já não parece mais fazer parte da rotina dos que se formam através da modalidade.

Patricia Corbisier Fabbri, diretora de Gestão e Projetos da PGF Consulting, uma empresa de recrutamento e seleção em Santos, explica que o método EAD vem conquistando cada vez mais espaço na sociedade porque existem muitas pessoas que não possuem tempo ou condições de frequentarem um curso presencial.

“No passado havia uma resistência muito maior do mercado de trabalho em contratar profissionais com formação EAD por ser questionada a qualidade e seriedades dos cursos. No entanto, este cenário vem mudando nos últimos anos e o EAD tem alcançado maior visibilidade e receptividade por parte dos empregadores. Tanto que muitas empresas tem investido em cursos online para seus colaboradores e contratado profissionais com formação EAD, o que reforça a credibilidade na modalidade”, analisa.

Patricia ressalta que para um aluno se formar em um curso EAD deve possuir ou desenvolver competências como determinação, organização, disciplina, planejamento, automotivação e responsabilidade, características críticas e muito importantes para as empresas. “Isso, cada vez mais tem sido notado pelos empregadores. Por isso, acredito que o primeiro passo para quem busca uma formação EAD seja a procura por cursos credenciados pelo MEC, pois uma vez reconhecidos, a validade desses cursos, por lei, passa a ser a mesma dos presenciais”, explica Corbisier.

Para Rita Zaher, diretora executiva da Espaço Santista RH, o novo modelo EAD está bastante comum entre as graduações e pós graduações. “Posso dizer que é um caminho para o futuro. A questão é que para esse tipo de estudo é necessário disciplina da parte do estudante com relação a horários para o acesso e compromisso com as atividades, o que já reflete grande parte de seu compromisso no mercado de trabalho”, explica.

Sendo assim, as empresas, já cientes disso, aceitam sim o diploma e preocupam-se mais com outras questões como: nome da faculdade e comportamento do candidato.

O fato é que como qualquer curso, os cursos à distancia precisam ter a autorização do MEC Para funcionar, o que os coloca no mesmo nível de seriedade que os demais.

Colunas

Contraponto