16h : 59min

Assine o Diário e o Santista por R$8 por mês no plano atual

Doentes graves e presos tem 1 ano para sacar FGTS

Desde o último dia 1º só pode sacar o dinheiro inativo quem apresentar atestado médico ou certidão de que estava preso. Esclareça as principais dúvidas

Comentar
Compartilhar
04 AGO 2017Por Da Reportagem12h00
Calendário para saque do FGTS na Caixa se expirou na última segunda-feira, mas Governo baixou decreto autorizando saques até julho de 2018 em condições especiaisFoto: Agência Brasil

Presos e portadores de doenças graves que não conseguiram comparecer a uma agência da Caixa Econômica Federal ganharam mais tempo para sacar o dinheiro das contas ­inativas do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço). O prazo para os demais trabalhadores terminou ontem­.

Quem se enquadrar nas condições terá até 31 de dezembro de 2018 para resgatar os valores, desde que apresente comprovante que justifique a impossibilidade de comparecer a uma agência no período de 10 de julho a 31 de julho para solicitar o saque.

No caso do portador de doença grave, a Caixa exige um atestado médico que comprove a impossibilidade de comparecimento a uma agência.

Já o preso deve apresentar uma certidão obtida junto à Vara de Execução Penal, Vara de Execução Criminal ou juízo responsável que decretou a prisão. O ­documento também pode ser expedido pela autoridade da unidade prisional que custodiou o titular da conta.

Os outros trabalhadores que perderem o prazo não poderão sacar o dinheiro após o prazo. Segundo a Caixa, os créditos que não forem retirados permanecem nas contas do FGTS dos titulares. O dinheiro só poderá ser resgatado caso sejam atendidas algumas regras (veja abaixo).

Até agora, a Caixa diz que 25,3 milhões de pessoas já sacaram R$ 42,8 bilhões, segundo dados atualizados até o dia 20, os mais recentes disponibilizados pelo banco. Isso equivale a 98,64% do total disponível para saque (R$ 43,6 bilhões).

Perguntas e respostas sobre como sacar o dinheiro

O que é preciso para sacar o FGTS inativo?
Ter contratos de trabalhos antigos, dos quais pediu demissão ou foi demitido por justa causa até 31 de dezembro de 2015.  O prazo para saque das contas inativas se encerra em 31 de julho. Depois disso, o dinheiro só poderá ser acessado seguindo as regras gerais do fundo de garantia, como a compra da casa própria, na aposentadoria ou em caso de doenças graves.
 
O dinheiro pode ser transferido para outro banco?
Sim. A transferência é gratuita. Durante o horário bancário, as transferências são feitas via TED, e o dinheiro cai na conta no mesmo dia. Se for feito DOC, o dinheiro fica liberado no dia útil seguinte. O prazo de retirada é o mesmo para todos os clientes, e funcionários do banco não têm o poder de antecipar ou atrasar a liberação do dinheiro.
 
O atendente pode oferecer produtos da Caixa quando eu for sacar o benefício?
Sim. No entanto, ele não pode condicionar a retirada do dinheiro à compra de serviços do banco. Quando oferecer o produto, ele é obrigado a explicar todos os custos envolvidos em produtos financeiros e condições de carência, caso o cliente desista da compra, seja um seguro, um plano de previdência privada ou algum tipo de investimento.
 
Contratei um serviço que não desejava. O que eu faço?
É preciso fazer uma reclamação nos canais de atendimento (fale-conosco.caixa.gov.br ou 0800-726-0101). A queixa também pode ser feita na ouvidoria (0800-725-7474). É possível entrar com uma reclamação nos Procons, que ajudam no reembolso do valor cobrado. Cadastre sua queixa no Banco Central (ligue 145).
 
Tentei e não consegui sacar o FGTS. Vou ficar sem o dinheiro?
Há dois casos distintos. Quem não conseguiu sacar o dinheiro porque o empregador não deu baixa na carteira precisa levar o termo de rescisão de contrato de trabalho até o dia 31. Já quando há um problema na Caixa, o trabalhador poderá receber depois do prazo se fizer o pedido até o fim do mês. Depois, a Caixa terá mais um mês para solucionar o ­problema.
 
Devo sacar o FGTS inativo?
Sim. O dinheiro parado no FGTS tem rentabilidade baixa (de 3% ao ano mais TR), abaixo da inflação. Mesmo na poupança, que é considerada uma opção ruim de investimento por especialistas, o dinheiro renderia mais -6,17% ao ano mais a TR. Se o objetivo for usar o dinheiro para a compra da casa própria, juntar dinheiro vai ser mais fácil se ele render mais.

Colunas

Contraponto