Débitos prefeituras

Dia da Mulher será marcado por grande ato em Santos

O Ato acontece nesta quinta-feira, na Estação da Cidadania, em Santos, à partir das 16h

Comentar
Compartilhar
06 MAR 2018Por Caroline Souza08h20
Aldenir Dida Dias, Gabriela Ortega e Vanessa Gonçalves na redação do Diário do LitoralFoto: Rodrigo Montaldi/DL

“Não é um dia de festa, é um dia de luta pelos nossos direitos”. É dessa forma que Aldenir Dida Dias, do Coletivo Feminista Classista Maria Vai com as Outras; Gabriela Ortega, da Associação Cultural José Martí; e Vanessa Gonçalves, do Coletivo de Bancárias, referem-se ao dia 8 de março. Na Baixada ­Santista, a data será marcada pelo 2º Grande Ato Unificado pela Vida das Mulheres ­Trabalhadoras.

O Ato acontece nesta quinta-feira, na Estação da Cidadania, em Santos, à partir das 16h. No local, vão ocorrer atividades culturais como exposições e sarau. Às 18h30, as mulheres saem em marcha para a Praça da Independência.

De acordo com a doutora e professora Aldenir Dida Dias, as mulheres vão se reunir pedindo o fim do machismo, do feminicídio e da cultura do estupro. “Além disso, vamos lutar contra a reforma trabalhista, a reforma previdenciária, a PEC 241 - que congela as despesas do Governo Federal por até 20 anos, e a PEC 181 - que insere na Constituição a proibição do aborto em todos os casos, inclusive os já previstos hoje pela legislação”, diz.

A organização do ato espera cerca de cinco mil pessoas no dia 8 de março. “Queremos que as mulheres de toda a Baixada Santista parem”, diz Aldenir. “São as mulheres trabalhadoras as mais prejudicadas com a reforma da previdência social”, ­complementa.

“O aumento na idade para se aposentar desconsidera o trabalho doméstico, que soma 5h a mais de trabalho por semana. Além de nossos salários serem ­menores que os de homens na mesma função”, comenta Gabriela. “O trabalho da mulher é desvalorizado em casa ou ­quando trabalham fora”, ­continua.

Quinze coletivos farão parte do ato. São eles: Coletivo Feminista Classista Maria Vai com as Outras; Coletivo Feminista Rosa Lilás; Setorial de Mulheres - Liberdade Socialismo e Revolução (LSR/PSOL); Coletivo Feminista Classista Ana Montenegro; MAIS Mulheres/PSOL; Companhia do Imaginário; Promotoras Legais Populares (PLPs); Mulheres da Frente Sindical Classista; Coletivo Ecoa Preta; Movimento Empoderamento Liberdade e Arte (E.L.A.); Secretaria de Mulheres do Sindicato dos Bancários/ INTERSINDICAL central da classe trabalhadora; Associação José Martí; SINSPREV Baixada Santista; Mandato Vereador Chico Nogueira; Associação de Mulheres do Cortiço de Santos; além de mulheres militantes da região.

Na Praça da Independência, ao final da marcha, haverá uma apresentação teatral.

 

Colunas

Contraponto